Ligue-se a nós

Paraná

PRF prende traficante na BR-277 e recupera carro roubado (VÍDEO)

Homem tentou fugir e capotou o veículo

Publicado

no

326,9 quilos de maconha estavam no porta-malas

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 326,9 quilos de maconha na noite deste sábado (30) em Porto Amazonas, município da região metropolitana de Curitiba. A droga estava em um carro roubado. O traficante tentou fugir, mas capotou o veículo na BR-277 e acabou hospitalizado, sob custódia da PRF.

Por volta de 19h20, uma equipe da PRF deu ordem de parada ao motorista de um automóvel Citroën C4. O homem ignorou a ordem e iniciou uma fuga em alta velocidade, efetuando uma série de manobras perigosas.

Alguns quilômetros à frente, após uma praça de pedágio, ele perdeu o controle do carro ao ingressar em uma rotatória, saiu da pista e capotou.

Com 41 anos de idade e residência em São Paulo (SP), o homem ficou imobilizado dentro do carro, que parou com as rodas para cima.

Os tabletes de maconha estavam no porta-malas.

Socorrido pela concessionária que administra a rodovia, ele foi encaminhado ao Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, onde segue internado, sob custódia da PRF. A alta médica pode ocorrer a partir desta segunda-feira (2).

Aos policias rodoviários federais, o motorista disse que pegou a maconha em Cascavel (PR), e que pretendia levá-la até Curitiba.

Droga iria para Curitiba

Com placas clonadas, o carro havia sido roubado em agosto de 2014, no município de Porto Alegre (RS).

A PRF encaminhou a ocorrência para a Delegacia da Polícia Civil em Palmeira, para onde o preso será levado após sair do hospital. Ele responderá pelos crimes de tráfico de drogas, receptação e por dirigir sem habilitação gerando risco de dano.

Da PRF
Anúncio

Paraná

Municípios são capacitados para prevenção de desastres

Capacitação faz parte das ações do Verão Maior

Publicado

no

Por

Coordenadores receberam capacitação

A temporada de verão leva muitos turistas para o litoral paranaense, mas também acende o alerta dos municípios com o aumento das chuvas e a possibilidade de desastres. Para preparar as cidades na prevenção e resposta rápida nessas ocorrências, a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil promoveu nesta sexta-feira (6), em Curitiba, uma capacitação com os coordenadores municipais de Defesa Civil das sete cidades litorâneas.

O objetivo é apresentar a estrutura do Centro Estadual de Gerenciamento de Risco e Desastres (Cegerd), que monitora as condições meteorológicas, acompanha as ocorrências e dá apoio aos municípios, e apresentar as ferramentas que dão suporte e permitem uma resposta rápida em casos de desastres.

A capacitação também faz parte das ações do Verão Maior, que reforça os serviços do Governo do Estado no Litoral e nas praias de água doce do Interior.

“Estamos preparando os municípios para agirem em uma situação de desastre, em um momento em que haverá um grande número de pessoas no Litoral, há um aumento nas chuvas e as ocorrências podem se agravar”, afirmou o coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Ricardo Silva.

De acordo com ele, uma resposta rápida faz a diferença para a população que está nas áreas de atenção. “Este treinamento faz com que a resposta do Estado e dos municípios seja rápida, competente e o mais eficaz possível”, disse.

“O histórico mostra que essa época é bastante sensível na região, com chuvas na Serra do Mar que deságuam naquela área e trazem muitos transtornos às pessoas. Então é necessário se preparar para isso”, salientou.

FERRAMENTAS – A Defesa Civil estadual conta com uma série de ferramentas de monitoramento e alertas meteorológicos, comunicação em casos de desastres e o cadastro das áreas de atenção no Estado, que permitem um trabalho mais eficaz de prevenção.

“Nessa formação, apresentamos aos coordenadores municipais todos os instrumentos que podem ser usados para operacionalizar as ações lá na ponta, para chegar de forma efetiva nas áreas vulneráveis e na população atingida”, explicou o capitão Romero Nunes da Silva Filho, chefe da Divisão de Gestão de Desastres da coordenadoria estadual.

Os gestores municipais têm acesso ao aplicativo do Sistema de Defesa Civil do Paraná (SISDC), que permite o cadastro da população que vive em áreas de atenção, dos abrigos e áreas de atendimento localizados nas cidades. Uma nova funcionalidade foi incluída no aplicativo para permitir o aviso imediato de uma situação de desastres, o que permite uma resposta imediata do Estado.

Também há ferramentas voltadas para a população em geral. A Defesa Civil envia alertas pelo celular, via SMS, para avisar sobre a ocorrência de eventos climáticos severos, para que ninguém seja pego de surpresa em casos de chuvas fortes, vendavais ou outras situações.

Para receber os avisos basta enviar um SMS com o CEP de residência para o número 40199. A Defesa Civil responde a mensagem com uma confirmação do cadastro e envia alertas periódicos sobre situações que requerem atenção redobrada da população.
PARANÁ SOLIDÁRIO – Outra tecnologia desenvolvida pelo Governo do Estado também pode contribuir com os municípios nessas ocorrências, mas com foco na solidariedade. O aplicativo Paraná Solidário, da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho, que faz a ponte entre doadores e instituições sociais, está ganhando uma nova função para incluir a doações quando há situações desastres.

Quando houver uma ocorrência, os doadores cadastrados no aplicativo receberão um alerta para destinar alimentos, roupas, móveis, telhas, produtos de higiene e limpeza a alguma entidade daquele município, que fará o repasse à população atingida.

Da AEN / Fotos: Ari Dias
Continuar Lendo

Paraná

Saúde alerta para acidentes com águas-vivas e caravelas no Litoral

Tipo mais comum provoca queimadura leves

Publicado

no

Por

A chegada de temperaturas mais elevadas e a proximidade do verão atraem cada vez mais pessoas para o litoral paranaense. A Secretaria de Estado da Saúde alerta a população para cuidados em casos de acidentes com águas-vivas e caravelas nesta época.

Águas-vivas e caravelas não atacam as pessoas. Os acidentes acontecem quando, por algum motivo, encostam-se nos banhistas e neste momento liberam substâncias na pele que causam o envenenamento, popularmente conhecido como “queimadura”.

Na temporada de 2016/2017 o Paraná registrou mais de 27 mil casos de acidentes. Já em 2017/2018, entre 21 de dezembro a 18 de fevereiro, o número reduziu significativamente para 1.188 casos. Na última temporada, 2018/2019, foram 1.469. Os dados são do Corpo de Bombeiros.

O chefe da Divisão de Vigilância de Zoonoses e Intoxicações (DVVZI) da Sesa, Emanuel Marques da Silva, explicou o possível motivo para o aumento destes casos nesta época.

“Durante este período elas se aproximam mais da costa do nosso litoral, pois estão em trânsito sendo levadas por correntes marítimas. As caravelas e as medusas (ou águas-vivas) são seres que estão no mar, e este é seu ambiente natural. Somos nós humanos que neste período de verão fazemos uso das praias, invadindo então o espaço delas, onde o acidente provocado pelo contato homem/animal acaba acontecendo”, disse.

A grande maioria dos acidentes com águas-vivas ocasiona quadros leves, quando a vítima relata apenas dor em queimação no local de contato com o animal. Neste tipo de caso clássico, a assistência é feita na beira da praia, pela equipe de guarda-vidas do Corpo de Bombeiros.
“Recomendamos que antes de entrar na água, o veranista pergunte ao guarda-vidas como está a situação do mar e qual o melhor lugar para se banhar. O atendimento feito pelos bombeiros na praia consiste na aplicação de vinagre na região da pele que teve contato com a água-viva para aliviar a dor e parar a ação da toxina do animal”, informou Tatiane Brites Dombroski, enfermeira da DVVZI.

CARACTERÍSTICAS – O tipo mais comum de água-viva encontrado no Paraná mede cerca de treze centímetros com os tentáculos, tem consistência gelatinosa e a aparência de um guarda-chuva. Provoca queimadura leve, não considerada grave.A caravela por sua vez, chama a atenção pela cor roxa e azul e é semelhante a uma bexiga boiando no mar. Pode chegar a dois metros de comprimento com os tentáculos. Os tentáculos grudam na pele e liberam substâncias que causam o envenenamento, que pode ter uma manifestação sistêmica, ou seja, capaz de afetar todo o organismo. Neste caso, é necessário buscar atendimento médico hospitalar.CUIDADOS – Não se deve tocar em águas-vivas e caravelas, mesmo que pareçam mortas na areia. Se a pessoa for queimada, deve lavar o local apenas com a água do mar e não esfregar a região atingida. Em seguida, deve-se procurar um posto de salva-vidas para colocar vinagre e neutralizar a ação da toxina.

Não pode passar água doce e nenhuma outra substância, como bebida alcoólica ou urina.

DÚVIDAS – Em caso de dúvidas sobre acidentes a população pode entrar em contato com o Centro de Controle de Envenenamentos do Paraná pelo número: 0800-410148 (CCE/PR).

Da Sesa Pr
Continuar Lendo

Paraná

Captura e venda do caranguejo estão liberadas a partir deste domingo

Temporada segue até o dia 14 de março

Publicado

no

Por

A temporada de captura do caranguejo-uçá no Estado começa amanhã, 1º de dezembro, e segue até 14 de março do ano que vem. Durante este período fica permitida apenas a captura dos machos com carapaça igual ou maior a sete centímetros. As fêmeas e os animais com dimensões inferiores não podem ser capturados em nenhuma época do ano.

As medidas de fiscalização e os cuidados durante a caça têm o objetivo de garantir a perpetuação da espécie. Por isso, a captura dos crustáceos é permitida com uma série de restrições que devem ser respeitadas.

É proibida a utilização de qualquer tipo de ferramenta cortante – enxadas, facões, foices, cavadeira, cortadeira e outros – produtos químicos ou armadilhas, como o laço e redes, ou demais meios que possam machucar, matar os animais ou causar danos ao ambiente.

A captura é permitida apenas de forma artesanal, feita com as mãos.

Também ficam proibidos no Paraná durante a temporada a entrada, o transporte e a comercialização do caranguejo processado, inteiro ou em partes, sem a comprovação de inspeção federal, contendo selo e comprovação de origem do produto.

Durante toda a temporada de caça, fiscais do IAP e a Polícia Ambiental reforçam a fiscalização em locais onde historicamente há registros de captura irregular e infrações ambientais.

Quem for flagrado capturando, transportando ou comercializando os crustáceos em desacordo com as restrições estabelecidas poderá ser enquadrado na lei de crimes ambientais.

Ao constatar a presença de caranguejos de tamanho inadequado ou capturados de forma irregular, todos os materiais utilizados serão apreendidos e os animais saudáveis serão devolvidos ao meio ambiente.

De 15 de março a 30 de novembro de 2020 ficam novamente proibidos a captura, o transporte e a comercialização dos caranguejos de qualquer tamanho.

A proibição ocorre porque esse é o período de defeso do animal, ou seja, da desova e crescimento dos novos crustáceos. A medida é necessária para preservar e proteger o seu habitat.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.