Ligue-se a nós

Notícias

Paraná tem 2.631 casos de dengue e 10 municípios em epidemia

Dados estão no Boletim da Saúde divulgado nesta terça-feira

Publicado

no

O boletim semanal epidemiológico divulgado nesta terça-feira (10) pela Secretaria da Saúde do Paraná registra 2.631 casos confirmados de dengue no Estado, 762 a mais que na semana anterior.

A Secretaria da Saúde informa que o aumento de 40,77% se deve, principalmente, ao acúmulo de dados de duas semanas por problemas no sistema de informação de algumas Regionais de Saúde.

“É um número preocupante, muitas cidades vivem epidemia de dengue e só com a participação da população vamos reduzir estes casos”, diz o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Ele destaca que o Governo do Estado faz uma grande campanha de orientação e prevenção, além de atividades como palestras informativas e ações de campo em busca de criadouros em todos os municípios.

“Dengue é uma preocupação latente, crônica. Temos que nos unir. O problema não é do vizinho do lado, ou da frente ou do dono do terreno baldio. O problema é de todos nós. Somente os agentes de combate às endemias distribuídos nos 399 municípios do Estado não conseguem fazer o trabalho de eliminação do criadouros do mosquito Aedes aegypti”, alerta o secretário.

“É preciso eliminar todos os criadouros do mosquito identificados no quintal de casa, no nosso vizinho, no terreno vazio, dentro da repartição pública, da escola, comércio, restaurante. O mosquito não escolhe uma localização específica. Está onde haja pouco acúmulo de água e ele possa fazer a deposição dos ovos”, reforça.

MORTE – A Secretaria da Saúde aguarda para a publicação em boletim a confirmação do segundo caso de morte por dengue no município de Nova Cantu, na região Centro-Oeste.

Uma força tarefa com profissionais da Vigilância da Secretaria da Saúde de Nova Cantu e de municípios vizinhos realiza busca ativa de criadouros.

A cidade, com cerca de 7 mil habitantes, tem 283 casos confirmados de dengue. A operação reforça a orientação sobre a limpeza de casa em casa para a eliminação dos focos.

Muitos criadouros estão sendo encontrados em fossas e poços desativados, locais que acumulam água parada e, consequentemente, se transformam em grandes criadouros de mosquito.

“No último fim de semana estivemos em Nova Cantu, onde a situação de epidemia é grave, e nos reunimos com o prefeito José Carlos Gomes e servidores, para planejar ações concentradas em forma de mutirão e de conscientização sobre a prevenção em toda a cidade. Ressaltamos que o problema só será resolvido com o envolvimento de todos os moradores removendo os criadouros do mosquito da dengue”, disse Beto Preto.

A Secretaria da Saúde destaca em Nota Técnica( 07/CVIA/DAV) que a utilização de produtos químicos para eliminação do mosquito não é recomendada pelo Ministério da Saúde. O vetor apresenta resistência aos produtos que vinham sendo utilizados e a aplicação fora da recomendação pode provocar danos saúde humana, animal e ao meio ambiente.

DADOS – O boletim semanal destaca que 10 municípios estão em situação de epidemia – dois a mais que no informativo anterior. São eles: Nova Cantu, Quinta do Sol, Inajá, Santa Isabel do Ivaí, Ângulo, Colorado, Floraí, Uniflor, Doutor Camargo e Florestópolis.

A lista de municípios em situação de alerta também aumentou: eram 10 e agora são 14: Lindoeste, Juranda, Douradina, Cianorte, Indianópolis, São Carlos do Ivaí, Flórida, Munhoz de Mello, Leópolis, Uraí, Jesuítas, Diamante do Norte, Paranacity e Sertaneja.

Dois municípios apresentam casos de Dengue Grave, a forma mais complicada da doença, e que normalmente atinge pessoas portadoras de outras comorbidades. São: Nova Cantu, com dois casos, e Foz do Iguaçu, com outros dois casos.

Além disso, outros 13 municípios apresentam 37 casos de Dengue com Sinais de Alerta, indicando que podem evoluir para casos de maior gravidade. Estão nesta lista os municípios de Foz do Iguaçu, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Cascavel, Nova Cantu, Quinta do Sol, Douradina, Santa Isabel do Ivaí, Floraí, Florestópolis, Guaraci, Ibiporã e Londrina.

NOTIFICAÇÕES – O boletim semanal registra 14.608 notificações para a dengue no Paraná. O monitoramento de dados compreende o período de 28 de julho a 06 de dezembro de 2019.

Da AEN

Notícias

Boletim do Hospital Regional confirma mais dois óbitos pela Covid-19

Pacientes, de Paranaguá e Antonina, faleceram na terça-feira (4).

Publicado

no

Por

Dois pacientes que estavam internados no Hospital Regional do Litoral morreram em consequência da Covid-19. Os óbitos ocorreram na terça-feira (4) e foram confirmados pela instituição na manhã de hoje.

Os falecimentos foram de um senhor de 52 anos, morador do bairro Serraria do Rocha, em Paranaguá, e de uma senhora de 60 anos, moradora da Ponta da Pita, em Antonina.

Outras duas mortes ocorridas no Regional estão em investigação para confirmar ou não que tenham sido em consequência da infecção provocada pelo novo coronavírus.

Ainda segundo o boletim do hospital, neste momento 24 pessoas estão internadas na “Ala Covid”: 17 confirmadas para a infecção e 7 sendo investigadas.

Continuar Lendo

Notícias

Operação simultânea chama a atenção no Porto de Paranaguá

Navio opera ao mesmo tempo dois tipos de cargas diferentes.

Publicado

no

Por

Embarcação atracou na noite de domingo (2)

O Porto de Paranaguá faz nesta semana uma operação diferente. O navio Penguin Arrow, atracado no berço 215, opera, simultaneamente, dois tipos de cargas diferentes. Ao mesmo tempo que descarrega malte, embarca 45.758 toneladas de celulose – a segunda maior quantidade do produto movimentada no porto paranaense.

O navio atracou na noite de domingo (2). A operação teve início na segunda (3), mas para concluir o carregamento serão cerca de três dias de movimentação.

O diretor de operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, disse que geralmente são os navios de veículos ou de contêineres os que fazem essas operações simultâneas de carga e descarga.

Segundo Teixeira, a operação exige muita coordenação. “Esse tipo de operação não é comum, mas está previsto no regulamento de programação, atracação e operação dos portos”, disse.
“Sua efetivação depende do plano de carga e descarga feitos pelo armador e executado pelo operador das cargas. O maior desafio é sincronizar os movimentos de carga e descarga. É preciso um bom planejamento”.

Serão três mil toneladas de malte, de origem francesa, que serão descarregados. Já no embarque, são 45.758 toneladas de celulose que tem como destino a China. As duas operações serão realizadas pelo operador Rocha.

“Este operador é credenciado pela Klabin para operar no embarque de operação de celulose. Ao mesmo tempo, a empresa também opera na descarga dos granéis sólidos, estando, portanto, habilitado para as duas operações simultâneas”, afirma o diretor. Ainda de acordo com Teixeira, a habilitação de um operador compete ao importador ou exportador da carga.

“Cabe à autoridade portuária (no caso, a Portos do Paraná) fazer a habilitação da empresa como operadora portuária do porto público”, esclarece.

EXPORTAÇÃO – A celulose embarcada pertence à Klabin. Segundo a empresa, esse segundo maior embarque é justificado pelo volume destinado à China, principal comprador do produto.

“Nesse caso, especificamente, como o grande volume vai para a China e tínhamos dois navios programados para carregar, com datas próximas, conseguimos mandar todo o volume concentrado em um navio só”, explica Gerson Ferreira, coordenador de Logística Internacional da Klabin.

Um navio levaria 20 mil toneladas no final de julho e outro, 25 mil toneladas agora no início de agosto. Segundo o representante da empresa, além da Ásia (China), a Europa também é destino da celulose embarcada pelo Porto de Paranaguá.
O maior lote de celulose já embarcado pela Klabin, no porto paranaense, foi de 46 mil toneladas. O volume foi carregado no último mês de novembro, no navio norueguês Star Lindesnes, que também seguiu para a China.

“A operação desse porte permite que se tenha um rendimento melhor no ritmo de embarque, possibilitando o alcance de ótimos índices de produtividade, em uma única operação. Além disso, navios com capacidade de carregar maiores volumes significa diminuição de custos envolvidos na operação”, afirma o diretor de operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Segundo ele, desde o início da operação de celulose da Klabin, nos portos do Paraná, se destaca a qualidade da mão de obra aplicada.

“Essa possibilita qualidade no manuseio da carga e também alcançando ótimos resultados, dando total segurança. A operação requer muita mão de obra dos trabalhadores portuários avulsos, o que traz benefícios ao município e à população”.

OPERADOR – Segundo Jorge Magalhães, superintende comercial do operador das cargas, a empresa Rocha, realizar qualquer tipo de operação é um desafio, pela natureza da atividade.
“A simultaneidade duplica os pontos de atenção, mas a Rocha possui o diferencial de ter uma equipe robusta e experiente e infraestrutura especializada para poder atender esse tipo de demanda e os diferentes segmentos”.

NAVIO – O Penguin Arrow, um navio de carga “multi propósito”, tem bandeira das Bahamas. A embarcação, que seguirá totalmente carregada de celulose, diretamente para os portos chineses, mede 199,7 metros de comprimento (loa) por 32,2 metros de largura (boca).
O design do navio é diferente, pois este traz no convés pontes rolantes chamadas de “gantry crane”. Essas, espécies de “guindastes”, operaram em lugares onde não tem equipamentos de terra, com maior rapidez porque permite ao operador visão total da carga.

Da Agência Estadual Notícias / Fotos: Claudio Neves
Continuar Lendo

Notícias

Saúde confirma mais 126 novos casos e 5 óbitos pela Covid-19 no Litoral

Paraná registrou 78 mortes, o maior número já divulgado em um só dia.

Publicado

no

Por

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou mais 126 novos casos e 5 óbitos pela Covid-19 no Litoral do Paraná. Os dados estão no informe epidemiológico divulgado nesta terça-feira (4).

Ainda de acordo com o boletim, o Paraná acumula 81.814 diagnósticos positivos e 2.106 mortos em decorrência da doença. Foram confirmadas 78 mortes no estado, o maior registro de óbitos divulgados em um só dia.

Os novos casos no Litoral são em Paranaguá (49); Antonina (27); Morretes (18); Pontal do Paraná (15); Guaratuba (13); e Matinhos (4).

Com esses novos números a região litorânea soma agora 3.510 casos: 2.351 em Paranaguá, 304 em Guaratuba, 279 em Pontal do Paraná, 220 em Morretes, 206 em Matinhos, 136 em Antonina e 14 em Guaraqueçaba.

O Litoral tem confirmados também 83 óbitos (mais quatro ocorridos em Paranaguá e que foram transferidos para as cidades de origem das vítimas).

As novas mortes confirmadas no informe da Sesa desta terça-feira são em Paranaguá (4) e Guaraqueçaba (1)

O total de óbitos na região é de 83. São 54 em Paranaguá, 10 em Pontal do Paraná, 8 em Matinhos, 6 em Guaratuba, 3 em Guaraqueçaba, 1 em Morretes e 1 em Antonina.

Os recuperados, de acordo com a Sesa, são 1.223, o que difere em muito do divulgado pelas prefeituras. Segundo as cidades, dois terços dos pacientes infectados no Litoral já estariam curados da doença.

Sesa informa 78 óbitos e 1.832 diagnósticos pelo novo coronavírus

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou também 1.832 novas confirmações e 78 mortes pela infecção causada pelo novo coronavírus. É o maior registro de mortes divulgadas em um só dia.

Os óbitos informados ocorreram entre 2 de maio e hoje. O Paraná acumula 81.814 diagnósticos positivos e 2.106 mortos em decorrência da doença.

INTERNADOS – 968 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados hoje: 744 estão em leitos SUS (353 em U.T.I e 391 em leitos clínicos/enfermaria) e 224 em leitos da rede particular (90 em U.T.I e 134 em leitos clínicos-enfermaria).

Há outros 1.171 pacientes internados: 536 em leitos U.T.I e 635 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

ÓBITOS – A secretaria estadual informou ainda a morte de 78 pacientes. Todos estavam internados. São 35 mulheres e 43 homens, com idades que variam de 28 a 94 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 2 de maio e 4 de agosto.

Os pacientes que faleceram residiam em: Curitiba (25), Arapongas (9), Paranaguá (4), Almirante Tamandaré (2), Araucária (2), Colombo (2), Ibaiti (2), Maringá (2), Ponta Grossa (2), São José dos Pinhais (2) e um caso confirmado em cada município a seguir: Apucarana, Araruna, Bandeirantes, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Campo Mourão, Cascavel, Douradina, Eneas Marques, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Foz do Jordão, Guaraqueçaba, Imbituva, Lapa, Ortigueira, Pérola, Quinta do Sol, Reserva, Santa Isabel do Ivaí, Santa Terezinha de Itaipu, São Pedro do Ivaí, São Sebastião da Amoreira, Terra Boa e Toledo.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registra 904 casos de residentes de fora. Destes, 22 foram a óbito.

VEJA O BOLETIM DA SESA
Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.