Ligue-se a nós

Notícias

Paraná inicia estudos ambientais para projeto da ponte na Baía de Guaratuba

Aviso foi publicado no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (2)

Publicado

no

Baía de Guaratuba

A Secretaria de Infraestrutura e Logística e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR) deu mais um passo no projeto de construção da ponte sobre a Baía de Guaratuba.

A edição desta quinta-feira (2) do Diário Oficial da União traz o aviso de manifestação de interesse de empresas para contratação dos serviços de elaboração dos estudos ambientais e dos projetos básicos e executivos.

O objetivo da construção da ponte é facilitar o deslocamento entre as cidades de Matinhos e Guaratuba, que atualmente é feito pelo ferry boat.

“A ponte de Guaratuba é um sonho antigo de todos os paranaenses. É um projeto que trará benefícios enormes para a integração de todo nosso litoral e que vai facilitar bastante o deslocamento entre as praias, especialmente na alta temporada, quando mais de 400 mil veículos realizam a travessia com o ferry boat”, afirma o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Segundo ele, trata-se de um projeto histórico para o Estado e que finalmente começa a sair do papel.

Alex explica que no ano passado foram investidos cerca de R$ 800 mil para que fossem elaborados os estudos preliminares, de viabilidade técnica, financeira e ambiental do projeto, o chamado EVTEA.

“Agora, com a publicação desta manifestação de interesse para novos estudos e para os projetos básicos e executivos, o Governo do Estado dá mais um passo para colocar em prática essa importante obra”, acrescentou o secretário.

“Por meio deste edital vamos elaborar a ‘lista curta’ de empresas e consórcios que têm interesse em desenvolver os estudos e projetos da ponte de Guaratuba. Vamos avaliar o portfólio das interessadas, uma relação de trabalhos já executados, e selecionar as seis melhores”, explica o diretor-geral do DER/PR, Fernando Furiatti.

Posteriormente, será publicado um edital para selecionar entre elas a empresa ou consórcio que vai elaborar os Estudos de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental, além dos projetos Básico e Executivo de engenharia da ponte.

O Programa Estratégico de Infraestrutura e Logística de Transportes do Paraná, que conta com financiamento do Banco Interamericano do Desenvolvimento (BID), incluiu o chamamento público para manifestação de interesse.

Furiatti ressalta a importância do fomento internacional. “O acordo entre BID e Governo do Estado prevê mais de R$ 940 milhões de investimentos nas mais importantes obras e projetos de infraestrutura no Paraná e, por isso, incluímos esses novos estudos da ponte de Guaratuba como parte do programa”, pontua.

COMO SERÁ A MUDANÇA
Há mais de 50 anos, a travessia entre Matinhos e Guaratuba é feita pelo sistema de ferry boat. Desde 1996, o transporte coletivo aquaviário de veículos neste trecho conta com a Concessionária Travessia de Guaratuba.

A construção da ponte garantirá o deslocamento rodoviário.

Após a finalização dos Estudos de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA), em 2019, foram propostas algumas alternativas para o traçado da ponte.

A extensão estimada é de pouco mais de 800 metros, com início na região da Prainha, no lado Norte da travessia, e término no lado Sul, na Praia de Caieiras, no perímetro urbano de Guaratuba.

No trecho final está prevista ainda a construção de um túnel, com aproximadamente 260 metros de extensão, terminando na área próxima às instalações de manutenção do ferry boat.

Deixe seu comentário!

Notícias

Vacinação contra gripe é estendida até 30 de junho

Medida pretende garantir a taxa de cobertura vacinal, especialmente para os grupos prioritários

Publicado

no

Por

Os paranaenses que pertencem ao público-alvo da campanha de vacinação contra a gripe têm agora até o dia 30 de junho para procurar as unidades de Saúde em todo Estado e se imunizar.

A medida pretende garantir a taxa de cobertura vacinal, especialmente para os grupos prioritários de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas – até 45 dias após o parto – e adultos de 55 a 59 anos.

A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde é alcançar a meta de 90% de cobertura vacinal de todos os grupos prioritários preconizados pelo Ministério da Saúde.

“Por conta do baixo número de cobertura vacinal em alguns grupos prioritários e seguindo as orientações do Ministério, a Secretaria decidiu prorrogar a campanha até o dia 30 de junho”, alerta o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Segundo ele, é mais uma oportunidade para que os grupos de todas as fases que ainda não se vacinaram procurem as unidades de Saúde e se imunizem contra o vírus da influenza.

A campanha atingiu 80% do público-alvo total no Estado, estimado em cerca de 2,8 milhões de pessoas. Ainda assim, o índice de cobertura vacinal em alguns grupos preocupa.

Até o momento, a cobertura vacinal entre crianças de 6 meses a menores de 6 anos, por exemplo, é de apenas 48,5%. Nas gestantes, esse número é ainda menor: somente 43,85% tomaram a vacina contra a influenza; puérperas, 55,11%, e adultos entre 55 e a 59 anos foi de 41,53%.

“Precisamos imunizar o maior número possível de paranaenses elencados para evitar que adoeçam por influenza, e principalmente para prevenir as complicações e óbitos pelo vírus no Estado, contribuindo com o diagnóstico diferencial para a Covid-19”, explica a chefe da Divisão de Vigilância do Programa de Imunização, Ver Rita da Maia.

PÚBLICO-ALVO – O público estabelecido para a campanha nas suas três fases abrange pessoas com idade igual e acima de 60 anos, trabalhadores da saúde, profissionais das forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos, sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, caminhoneiros, motorista e cobrador de transporte coletivo, portuários, povos indígenas, crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, pessoas com deficiência, gestantes, puérperas até 45 dias, adultos de 55 a 59 anos de idade e professores das escolas públicas e privadas.

PREVENÇÃO – Além da vacina, entre os principais cuidados que devem ser tomados para diminuir o risco de contaminação tanto do vírus da influenza como das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), está a higienização correta das mãos, o uso do álcool gel 70°, evitar compartilhar talheres, copos e alimentos, ao tossir ou espirrar deve-se proteger a boca e o nariz utilizando lenço de papel ou a dobra do cotovelo, fazer o uso de máscaras, manter os ambientes ventilados e evitar a aglomeração de pessoas também podem evitar o contágio da doença.

Os cuidados preventivos devem ser adotados continuamente. “São hábitos saudáveis que precisam ser praticados por todos para diminuir o risco de contaminação e disseminação não apenas do vírus da gripe, mas de uma série de outras doenças”, ressalta a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Acácia Nasr.

Ela alerta ainda para os sintomas da doença, que incluem febre alta (acima de 38°), dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse. “Quando há suspeita de gripe, deve-se procurar os serviços de saúde para avaliação médica o mais breve possível e iniciar o tratamento com o antiviral específico. A pessoa nunca deve se automedicar”, lembra Nasr.

COVID-19 – Em tempos de pandemia pela Covid-19 é de extrema importância evitar o aumento de doenças respiratórias e a sobrecarga do sistema de saúde.

“O principal objetivo desta vacinação é reduzir as complicações, as internações e principalmente a mortalidade decorrente das infecções causadas pela influenza, facilitando, neste momento, a definição do diagnóstico de pacientes com suspeita de adoecimento pela Covid-19”, explica Beto Preto.

NÚMEROS – Os números de gripe atualizados nesta quarta-feira (03) pela Secretaria da Saúde mostram que de janeiro até agora o Paraná registrou 5.669 notificações de SRAG. Destes, 81 casos foram confirmados para o vírus de influenza com 13 óbitos no Estado.

Da AEN
Continuar Lendo

Notícias

Pelo segundo dia consecutivo, Paraná tem mais de 300 confirmações da Covid-19

Boletim da Sesa traz também mais um caso confirmado em Paranaguá.

Publicado

no

Por

A Secretaria de Estado da Saúde informou, em boletim epidemiológico nesta quarta-feira, 331 novas confirmações e seis óbitos pelo novo coronavírus no Paraná.

O informe mostra que o número acumulado de pessoas infectadas é de 5.494. Destas, 205 morreram em decorrência da doença. Há registro da Covid-19 em 263 municípios do Estado, e em 75 ocorreu ao menos um óbito.

Pelo segundo dia consecutivo as novas confirmações ultrapassaram 300 casos.

“Os casos estão aumentando. Mais pessoas estão precisando de terapia intensiva e de cuidados hospitalares, e a preocupação é que temos mais gente nas ruas. Não há como segurar a doença com pessoas infectadas circulando. Costumo dizer e repito: somente deixe a sua residência se for por algo muito necessário’, alerta o secretário Beto Preto.

Mais seis pessoas faleceram pela Covid-19. Todas estavam internadas. As três mulheres que faleceram tinham idades entre 70 e 76 anos. Uma era moradora de Curitiba, de 76 anos, que faleceu dia 30 de maio; outra residia em Londrina, de 70 anos, que faleceu ontem (2); a terceira residia em Maringá, tinha 73 anos e também faleceu no dia 30 de maio.

Entre os homens, as idades variam entre 48 e 76 anos. Um que era morador em Maringá, de 76 anos, e outro, de 61 anos, que residia em Curitiba, foram a óbito na terça-feira (2). O outro também morava em Maringá, tinha 48 anos e faleceu no dia 30 de maio.

MUNICÍPIOS – 262 cidades paranaenses têm ao menos um caso confirmado pela Covid-19. Em 75 municípios há registro de óbitos pela doença.

Quantidade de casos novos e municípios:

1 caso confirmado Barracão, Cambará, Cambé, Campo Mourão, Cantagalo, Centenário do Sul, Cianorte, Clevelândia, Colorado, Corbélia, Cornélio Procópio, Imbituva, Inácio Martins, Itambaracá, Jaguapitã, Jardim Alegre, Laranjeiras do Sul, Maria Helena, Paranaguá, Pato Branco, Quedas do Iguaçu, Santo Antônio da Platina, Siqueira Campos, Telêmaco Borba, Tijucas do Sul, Tupãssi, União da Vitória.

2 casos confirmados – Boa Vista da Aparecida, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Candói, Foz do Iguaçu, Foz do Jordão, Paranavaí, Quatro Barras, Rolândia, Santa Mariana, Santo Antônio do Caiuá, Umuarama.
3 casos confirmados – Almirante Tamandaré, Conselheiro Mairinck, Toledo.
4 casos confirmados – Mandirituba.
5 casos confirmados – Mariluz.
7 casos confirmados – Colombo.
8 casos confirmados – Piraquara.
9 casos confirmados – Fazenda Rio Grande, Pinhais.
11 casos confirmados – São José dos Pinhais.
13 casos confirmados – Maringá.
18 casos confirmados – Coronel Domingos Soares.
23 casos confirmados – Araucária.
30 casos confirmados – Londrina.
63 casos confirmados – Cascavel.
71 casos confirmados – Curitiba.
FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registrou um caso a mais de residente de fora. São 73 pessoas que moram em outros estados e foram atendidas por aqui. Cinco pessoas foram a óbito.

Paranaguá confirma mais um caso
A cidade de Paranaguá confirmou mais um caso nesta quarta-feira. De acordo com o boletim da Prefeitura, trata-se de um homem de 34 anos, morador no Bockmann.

Com mais essa confirmação, o Litoral do Paraná chega a 121 casos confirmados e seis óbitos: 64 em Paranaguá (4 óbitos); 27 em Guaratuba (1 óbito); 10 em Pontal do Paraná; 7 em Matinhos; 7 em Morretes; 5 em Antonina; 1 em Guaraqueçaba (1 óbito)

Em Paranaguá, 121 pessoas (57 do sexo feminino e 64 do sexo masculino) aguardam resultado de exames.

VEJA O BOLETIM DE PARANAGUÁ

INTERNADOS – Estão internados nesta quarta-feira (3) 326 pacientes com o diagnóstico confirmado para Covid-19 de todo o Paraná. 240 estão em leitos SUS (94 em UTI e 146 em leitos enfermaria) e 86 em leitos da rede hospitalar privada (31 em UTI e 55 em leitos enfermaria).

LEITOS SUS COVID – Do total de 1.897 leitos SUS exclusivos Covid-19 que a Sesa mantém em todo o Paraná, 665 estão ocupados por pacientes com suspeita ou confirmação de infecção pelo novo coronavírus.

O Estado tem 604 leitos de UTI adulto, e destes 274 estão ocupados; 1.186 leitos de enfermarias adulto e 374 estão ocupados; 37 leitos UTI pediátrico, 8 ocupados; 70 leitos de enfermaria pediátrico e 9 estão ocupados.

A média de ocupação dos leitos SUS exclusivos Covid-19 é de 35% nesta quarta-feira (3). A quantidade de leitos pode variar porque, além dos leitos em unidades próprias do Estado, a Sesa contrata diretamente leitos em unidades hospitalares filantrópicas e privadas para atendimento a pacientes Covid-19 quando necessário.

VEJA O BOLETIM DA SESA
Continuar Lendo

Notícias

Litoral tem 1.463 casos confirmados de dengue e 363 em investigação

Números referem-se ao período de julho/2019 a maio/2020.

Publicado

no

Por

O Litoral do Paraná tem 1.463 casos confirmados de dengue e 363 suspeitos sendo investigados. Os números estão no boletim divulgado nesta terça-feira (2) pela Secretaria de Estado da Saúde que monitora a doença em todo Paraná.

Dos sete municípios da região, apenas Guaraqueçaba não registra nenhum caso, mas tem 4 em investigação.

Paranaguá, que já está em situação de epidemia, soma 1.251 casos confirmados e 241 suspeitos.

Guaratuba tem 60 casos confirmados e 48 sendo investigados.

Pontal do Paraná registra 59 confirmações e 43 casos suspeitos.

Matinhos tem 58 casos confirmados e 15 em investigação.

Morretes possui 34 casos confirmados e 10 sendo investigados.

Antonina aparece no boletim com 1 caso confirmado e 2 suspeitos.


PARANÁ TEM 199 MIL CASOS
O total de casos confirmados de dengue no Paraná é de cerca de 199 mil, referente ao período epidemiológico iniciado em 28 de julho de 2019 até o sábado, 30 de maio. Foram incluídos 18.650 novos casos entre o último boletim e o divulgado hoje, com uma diferença, portanto, de 15 dias desde a última publicação. Há casos em 343 municípios do Paraná, sendo que 237 estão em epidemia.

TENDÊNCIA DE QUEDA
Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, o período de monitoramento da dengue tem início em julho e, pela curva epidêmica, a partir do mês atual, a tendência é de queda de casos.

“Nossa tendência é de queda, o que já temos constatado; estudamos isso constantemente e percebemos que os casos estão reduzindo em volume. Mas não baixamos a guarda ainda, temos que avançar no que se refere à prevenção da dengue já pensando no próximo ano”, disse o secretário Beto Pretto.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.