Ligue-se a nós

Notícias

EXCLUSIVO: Droga que saiu de Paranaguá é descoberta em porto da Itália

ESTAVA NO MEIO DE PALLETS DE MADEIRA

Publicado

no

Agora Litoral – EXCLUSIVO
Um contêiner com 450 quilos de cocaína, que estava em trânsito de Paranaguá cujo destino era o porto Said West, no Egito, foi descoberto na madrugada deste sábado (6) no porto de Gioia Tauro, na província de Reggio Calabria, o maior da Itália.

A droga estava dividida em 420 blocos, com um valor total de varejo de cerca de 90 milhões de euros, cerca de 386 milhões de reais.
Segundo as autoridades alfandegárias da Itália, as verificações foram realizadas em 750 contêineres da América do Sul com o uso de sofisticados equipamentos de scanner fornecidos à Agência de Alfândega e Monopólios.

Os scanner possibilitaram selecionar o contêiner contendo o precioso carregamento de drogas, escondido entre os bens legalmente transportados, feitos de compensado de madeira, e prontos para serem recuperados pelos recebedores da carga.

PALLETS DE MADEIRA
A forma de transporte da droga é a mesma de algumas cargas apreendidas pela Receita Federal este ano em Paranaguá.

Na quinta-feira (4), fiscais da Receita Federal apreenderam mais de uma tonelada de cocaína no Terminal de Contêineres de Paranaguá. A droga estava no meio de palletes de madeira compensada que tinham como destino o porto de Antuérpia, na Bélgica.

Apreensão feita em Paranaguá quinta-feira

As apreensões da cocaína em Paranaguá, este ano, ultrapassaram as seis toneladas.

Deixe seu comentário!

Notícias

Portos do Paraná já receberam navios de 48 nacionalidades em 2020

Bandeira mais frequente foi a das Ilhas Marshall, com 273 embarcações.

Publicado

no

Por

Foto: José Fernando Ogura

Os portos do Paraná já receberam neste ano navios de 48 nacionalidades. De janeiro até setembro, 1.845 atracações aconteceram nos terminais de Paranaguá e Antonina. A bandeira mais frequente foi a da República das Ilhas Marshall, um pequeno país da Oceania, presente em 273 embarcações.

Hasteadas na popa dos navios, as bandeiras indicam em qual país a embarcação foi registrada e também quais leis os tripulantes devem seguir.

“O porto recebe pessoas, cargas e navios de todo o mundo. O que muita gente não sabe é que o navio é um território do país de registro e, por isso, nele valem as regras, leis e convenções internacionais daquele país”, explica o diretor-presidente da empresa Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Depois das Ilhas Marshall, as bandeiras que mais apareceram nas atracações nos portos paranaenses foram da Libéria (271), do Panamá (254), Hong Kong (188), Malta (166) e Cingapura (144).

Navios brasileiros também apareceram bastante – 72 atracações. É a oitava bandeira que mais esteve entre as nacionalidades dos navios atracados em Paranaguá e Antonina.
TRIPULAÇÃO – Quanto à nacionalidade das tripulações, a mais frequente é a filipina. Um levantamento feito por amostragem, entre março e agosto, mostrou que 32% dos trabalhadores embarcados nos navios que passaram pelo Paraná eram filipinos. Na sequência, aparecem os indianos, ucranianos, brasileiros e russos.

Os dados foram levantados internamente, a partir das listas de desembarques definitivos dos tripulantes, durante a pandemia.

Ou seja, nos casos que os tripulantes desembarcaram nos portos paranaenses por que deixaram de fazer parte da tripulação do navio, geralmente por motivo de encerramento de contrato de trabalho, e retornaram aos seus países de origem por via aérea.

DESTINOS – Segundo o Ministério da Economia, o principal destino das exportações que deixaram o Brasil pelos portos de Paranaguá e Antonina é a China.

O país asiático recebeu mais de 47% dos produtos embarcados no Paraná. Em seguida, aparecem como principais importadores os Países Baixos (Holanda), Coreia do Sul, França, Irã e Bangladesh, respectivamente.
Quanto à origem das importações que chegam pelos portos paranaenses, as mais frequentes são os Estados Unidos, de onde vêm quase 19% do volume de cargas. Também estão entre os países de origem a Rússia, China, Marrocos, Canadá e Belarus.

Confira as bandeiras dos navios e nacionalidades dos tripulantes.

Da AEN / Fotos: Cláudio Neves
Continuar Lendo

Notícias

Litoral tem mais 29 novos casos de Covid-19 nesta segunda-feira

Paraná acumula 198.578 casos e 4.889 mortos em decorrência da doença

Publicado

no

Por

O informe epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) desta segunda-feira (19) aponta um acréscimo de 29 novos casos de Covid-19 no Litoral do Paraná. As novas confirmações da doença ocorreram em Paranaguá (22), Morretes (3), Antonina (2), Guaratuba (1) e Matinhos (1).

Com esses novos casos, o Litoral soma 173 óbitos e 7.410 casos em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

TOTAL DE CASOS POR CIDADE – Paranaguá (4.545), Guaratuba (880), Pontal (544), Antonina (514), Morretes (489), Matinhos (381) e Guaraqueçaba (57).

ÓBITOS – Paranaguá (90), Guaratuba (24), Matinhos (18), Pontal (15), Antonina (12), Matinhos (11) e Guaraqueçaba (3).

RECUPERADOS – O total de recuperados no Litoral do Estado é de 5.854 pessoas. Paranaguá (3.661), Guaratuba (620), Morretes (452), Antonina (428), Pontal (347), Matinhos (308) e Guaraqueçaba (38).

Paraná soma 198.578 casos e 4.889 mortos
A Secretaria de Estado da Saúde divulgou também mais 1.135 casos confirmados e 14 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 198.578 casos e 4.889 mortos em decorrência da doença.

INTERNADOS – 643 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados nesta segunda-feira (19). São 532 pacientes em leitos SUS (268 em UTI e 264 em leitos clínicos/enfermaria) e 111 em leitos da rede particular (38 em UTI e 73 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 894 pacientes internados, 398 em leitos UTI e 496 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

ÓBITOS – A secretaria estadual informa ainda a morte de mais 14 pacientes, todos estavam internados. São seis mulheres e oito homens, com idades que variam de 42 a 92 anos. Os óbitos ocorreram entre 02 e 19 de outubro.

Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (3), Francisco Beltrão (3), Castro (2), Foz do Iguaçu (2).

A Sesa confirma também um óbito em cada um dos seguintes municípios: Almirante Tamandaré, Curiúva, Palmital e Tijucas do Sul.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registra 2.090 casos de residentes de fora, 48 pessoas foram a óbito.

CLIQUE AQUI para ver a íntegra do boletim.

Continuar Lendo

Notícias

Ponte de Guaratuba é alternativa sustentável para trânsito no Litoral

Ponte de 800 metros facilita o tráfego e da mais segurança para a circulação de veículos.

Publicado

no

Por

A construção de uma ponte ligando Matinhos a Guaratuba é a alternativa mais sustentável para suportar o volume de trânsito e dar mais segurança a quem circula entre as duas cidades.

Um dos efeitos é a desativação das balsas utilizadas pela travessia, reduzindo riscos hoje existentes.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, ressalta a necessidade de oferecer novas condições para o trânsito de cargas perigosas e ressalta que o sistema atual já oferece dois grandes impactos ambientais.

“A emissão atmosférica da própria balsa e dos carros parados já gera um impacto. Outro problema é o risco de derramamento de combustível, que é maior conforme o tamanho das embarcações e o volume de trânsito pelo mar”, disse.

Nunes sustenta que a ponte pode evitar danos ambientais e que o trabalho de viabilização das obras une técnicos das secretarias estaduais do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (SEDEST) e da Infraestrutura e Logística (SEIL), que têm trabalhado fortemente para assegurar a construção da ponte com todos os cuidados necessários ao meio ambiente.

Com a finalização dos Estudos de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA), em 2019, foram propostas alternativas para o traçado da ponte. Segundo Márcio Nunes, o traçado deverá ser definido com base na alternativa que cause menos impacto ambiental, o que pode incluir, por exemplo, a construção de um túnel no trecho final.

A extensão da ponte está estimada em pouco mais de 800 metros, com início na região da Prainha, no lado Norte da travessia, e término no lado Sul, na Praia de Caieiras, no perímetro urbano de Guaratuba.

O túnel, com 260 metros de extensão, ligaria o trecho final até uma área próxima às instalações de manutenção do ferry-boat.

INTERESSE – O Governo do Estado publicou neste mês um novo aviso de Manifestação de Interesse, convocando empresas especializadas para a elaboração conjunta de novos estudos ambientais e do anteprojeto da Ponte de Guaratuba.

O processo fica aberto até o próximo dia 23 de outubro.

Entre as exigências para participar do certame está a apresentação de uma relação de trabalhos similares já desenvolvidos.

Os documentos devem ser entregues ao Departamento de Estrada de Rodagem (DER/PR), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística, que está à frente do processo.

A opção por contratar um consórcio de empresas único para a elaboração dos estudos ambientais e dos projetos de engenharia garante maior entrosamento entre as diferentes equipes.

O objetivo é de obter a melhor solução, tanto do ponto de vista ambiental, quanto técnico e econômico.

O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, diz que a construção da ponte na baía de Guaratuba é um importante marco para a modernização do Litoral paranaense.

“Há décadas se discutia a construção da ponte, mas só agora estamos conseguindo avançar com esse empreendimento”, destacou.

VAZAMENTO – Na última quinta-feira, uma mancha, aparentemente de óleo diesel, foi vista na Baía de Guaratuba. Técnicos do Instituto Água e Terra (IAT) vistoriaram o local e informaram que o produto foi dispersado pela maré e que o incidente não ocasionou a mortandade de peixes e impactos significativos.

Casos como este, contudo, podem apresentar maior gravidade.

Da AEN
Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.