Ligue-se a nós

Paranaguá

Homem chama PM por causa de invasão de propriedade e acaba preso

Fato ocorreu na tarde de terça-feira na Ilha dos Valadares

Publicado

no

Arma apreendida pela PM

Um homem de 59 anos foi preso na tarde de terça-feira, 29/6, na Ilha dos Valadares, em Paranaguá, depois de chamar a Polícia Militar para averiguar uma situação de ameaça e invasão de propriedade. Com o solicitante foi encontrado um revólver e ele acabou recebendo voz de prisão por posse ilegal de arma de fogo.

A OCORRÊNCIA
Por volta das 13 horas, a Central de Operações da PM (Copom) foi informada sobre uma situação de ameaça na região do bairro 7 de Setembro, em que o solicitante relatou, através de ligação telefônica para o número 190, que cerca de oito indivíduos haviam invadindo um imóvel, portando arma de fogo e facão.

De imediato as equipes policiais foram averiguar e, ao chegarem na localidade, populares relataram que a situação estaria ocorrendo em uma chácara.

Ao se aproximarem da propriedade, os militares visualizaram quando um homem dispensou um objeto em meio à mata e, de imediato, foi feita a abordagem.

Na busca pessoal, não foi localizado nada de ilícito com o abordado e este, em seguida, identificou-se como o solicitante da ocorrência, informando que ao chegar em sua propriedade visualizou um grupo de pessoas, com facões e foices, invadindo a área e que, ao tentar dialogar com os invasores, eles avançaram contra ele fazendo ameaças.

Ao ser indagado sobre os disparos de arma de fogo no local, o homem respondeu se tratar de bombinhas, apresentando algumas delas para os militares. Questionado também sobre o que havia dispensado na mata, ele admitiu se tratar de um revólver calibre 32, modelo antigo, que havia encontrado em uma beirada de barranco, durante uma pescaria.

O homem indicou o local onde havia dispensado o revólver. A arma, que estava sem munições, acabou apreendida pelos policiais.

O solicitante alegou que usava o revólver apenas para amedrontar os invasores e atirava as bombinhas para fazer barulho.

No entanto, o homem acabou preso por não ter registro para a posse de arma e foi conduzido ao plantão da Delegacia Cidadã para a elaboração do flagrante.

Os policiais ainda realizaram diligências pela região, mas os invasores da propriedade não foram encontrados.

Clique para comentar

Deixe seu comentário!

Paranaguá

Morre rapaz atingido por tiros nesta terça-feira no Vale do Sol

Anderson Cordeiro de Castro não resistiu aos ferimentos

Publicado

no

Por

Anderson (foto redes sociais)

Morreu, no final da tarde desta terça-feira (19/10), no Hospital Regional do Litoral (HRL), em Paranaguá, o rapaz que havia sido gravemente ferido a tiros, por volta das 16h30, no bairro Vale do Sol.

Anderson Cordeiro de Castro, de 18 anos, chegou à casa hospitalar levado por familiares, assim que sofreu os três disparos, feitos por um homem em uma motocicleta de cor azul, na Rua Ayro Carvalho Cruz.

O jovem ficou caído em frente a uma obra (IMAGEM FORTE)

Ele foi recebido pela equipe de plantonistas do HRL, porém, devido à gravidade dos ferimentos, acabou entrando em óbito pouco tempo depois.

O assassinato de Anderson Cordeiro de Castro é o 66º registrado em Paranaguá este ano.

ONDA DE VIOLÊNCIA
A cidade-mãe do Paraná vive uma onda de violência sem precedentes.

Na noite de segunda-feira (18), um outro rapaz foi executado cruelmente na Vila Garcia.

ONDA DE VIOLÊNCIA EM PARANAGUÁ: Rapaz é morto a tiros na Vila Garcia

Continuar Lendo

Paranaguá

Portos do Paraná inicia etapa de remoção de rochas da Pedra da Palangana

Pedras serão doadas aos municípios do Litoral.

Publicado

no

Por

Fotos: Divulgação/Consórcio Boskalis, Fabio-Bruno, SLI e DEC

A Portos do Paraná iniciou nesta terça-feira (19/10) a etapa de remoção das rochas dos pontos mais rasos da Pedra da Palangana. O trabalho será feito com o auxílio de uma draga mecânica. Os pedaços removidos serão levados ao canteiro da obra para a britagem. Ao final desse processo, as pedras serão doadas a municípios do Litoral paranaense.

A derrocagem da Pedra da Palangana visa dar mais segurança para a navegação e o meio ambiente (evitando acidentes com navios) com a remoção dos pontos mais rasos do complexo de rochas subterrâneas. Com a retirada de apenas 22,3 mil metros cúbicos, cerca de 12% do total da Pedra, o risco de encalhe de navios e desastres ambientais será minimizado.

“Desde que começou, no início de setembro, a obra vem seguindo todos os protocolos de segurança, de forma controlada e responsável, com todos os cuidados para o meio ambiente, para a população que vive nas proximidades e para o porto”, disse Luiz Fernando Garcia, diretor-presidente da empresa pública que administra os portos de Paranaguá e Antonina.

De 6 de setembro até agora, já são quase 45 dias de obras. “Nossos canais de comunicação seguem permanentemente atualizados, a cada alteração ou nova etapa. Além de segurança, estamos realizando a obra com total transparência”, completou Garcia.

As pedras poderão ser usadas em diversas obras municipais, de asfalto a construção de edifícios. “Além de colaborar em mar, para a navegação, colaboramos em terra com a doação desse material que os municípios teriam que comprar”, afirmou o diretor-presidente.

A destinação das pedras aos sete municípios do Litoral será coordenada pela Secretaria de Estado da Infraestrutura e Logística.

REMOÇÃO – Segundo a Diretoria de Engenharia e Manutenção da Portos do Paraná, a draga mecânica equipada com guindaste e concha (grab) recolhe os pedaços menores das rochas fragmentadas e os deposita em uma barcaça com cisterna. Em terra, as rochas serão recicladas através de britagem.

“Neste momento, a equipe vai começar a remover as rochas das três porções já derrocadas”, comenta a engenheira Bruna Calloni, coordenadora de Batimetria e Dragagem, da Gerência de Engenharia Marítima. Ainda de acordo com ela, o canteiro da obra, localizado atrás do terminal de contêineres do Porto de Paranaguá, está preparado com espaço e equipamentos suficientes para acomodar as rochas.

ETAPA Neste momento, as atividades ocorrem nas porções mais internas e centrais do canal de navegação. Por isso, por 18 horas diárias, a passagem de grandes embarcações (navios, dragas, balsas de abastecimento) está impedida.

As manobras dos navios no canal principal estão ocorrendo dentro de uma janela diária de seis horas: entre as 4 horas antecedentes à maré cheia, estendida até 2 horas depois. O fluxo de navios pelo canal de acesso alternativo, o Surdinho, segue permitido dentro das normas de navegação.

Da Portos do Paraná
Continuar Lendo

Paranaguá

PM acaba com festa eletrônica que reunia mais de duzentos jovens

Foi neste domingo, após denúncia de perturbação do sossego.

Publicado

no

Por

Foto: colaboradores do WhatsApp

A Polícia Militar deu fim a uma festa rave (evento dançante com música eletrônica) que acontecia domingo (17/10), no Clube Seleto, em Paranaguá. A ação ocorreu após denúncia pelo 190 de perturbação do sossego.

No local, aproximadamente duzentas pessoas, a maioria jovens. Equipes da Rotam, com apoio de outras viaturas do 9º BPM, foram até o clube, no bairro Tuiuti, e dispersaram o público.O responsável pela organização do evento foi advertido.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.