Ligue-se a nós

Polícia

Identificadas vítimas de triplo assassinato em Paranaguá

Pai, filho e nora foram mortos no interior do município com golpes de facão

Publicado

no

Casa onde Carlos foi morto

Foram identificadas as vítimas de um triplo assassinato ocorrido em Paranaguá, no Litoral do Paraná, descoberto neste sábado (8).

Os três foram mortos com golpes de facão na localidade conhecida como Povoado Ribeirão, em Alexandra, no interior do município.

Carlos da Silva, de 76 anos; o filho dele, Amarildo Antonio da Silva, de 56; e a esposa de Amarildo, Adriana Pereira dos Santos, de 43 anos, foram encontrados pela Polícia Militar já sem vida.

Os corpos estavam em duas casas no mesmo terreno. Carlos em uma, deitado na cama com golpes na cabeça, e o filho dele e a nora em outra. Amarildo estava caído no banheiro e Adriana na sala da moradia.

Pedro Lucas Pereira Silva, de sete anos, filho de Amarildo e Adriana, que residia com os pais, está desaparecido e sendo procurado pelas polícias Civil e Militar. Ele foi visto por vizinhos na sexta-feira (7) brincando no quintal de casa.

Ninguém sabe o que teria ocorrido com o menino. Foi levantada a hipótese de que ele tenha sido levado pelos autores do crime contra o avô e os pais.

Pedro está desaparecido

Qualquer informação sobre o paradeiro do garoto poderá ser repassada para a irmã dele pelo Whats: 9 98307691 (Lari)

VINGANÇA
A Polícia Civil recebeu algumas informações de moradores próximos ao local do crime, porém não adiantou nada às equipes de reportagem.

Contudo, fontes do Agora Litoral dão conta de que Carlos e Amarildo teriam sido mortos por vingança.

Extraoficialmente, fala-se que Carlos da Silva (que era natural de Cananéia-SP) teria um histórico de pedofilia.

Adriana, esposa de Amarildo e nora de Carlos, teria sido morta para não denunciar os autores da brutalidade. Ela era nascida em Morretes.

CASA JÁ FOI PALCO DE OUTRO HOMICÍDIO
A casa onde o aposentado Carlos da Silva foi encontrado morto já foi palco de outro crime.

Em outubro de 2019, Vilmar da Luz, de 53 anos, foi executado a tiros naquele local. Vilmar havia saído da cadeia três dias antes, beneficiado com um Alvará de Soltura, após ter cumprido pena por homicídio.

Vilmar teria sido chamado pelo nome e, ao abrir a janela para ver quem era, foi atingido por pelo menos quatro tiros no rosto.

À época, o morador da residência (que não era Carlos da Silva) disse que conhecia Vilmar e que este havia pedido para passar uns dias em sua casa.

Deixe seu comentário!

Polícia

PM apreende crack, maconha e cocaína durante ação em Matinhos

Foi na noite de sexta-feira no balneário Albatroz.

Publicado

no

Por

Na cidade de Matinhos, no Litoral do Paraná, policiais militares do 9º Batalhão fizeram a apreensão de porções de cocaína, crack e maconha, na noite de sexta-feira (22).

A ação ocorreu após denúncia sobre o consumo e comércio de entorpecentes no balneário Albatroz.

Conforme informado pela PM, por volta das 21h uma equipe de Rádio Patrulha recebeu as informações, que foram repassadas anonimamente, relatando que, próximo à beira mar, alguns indivíduos se encontravam para fazer uso e venda de drogas.

De posse das informações, os policiais foram até o endereço denunciado e visualizaram dois indivíduos em atitude suspeita.

Ao perceberem a presença da viatura, os suspeitos fugiram. Porém, a equipe conseguiu alcançar e abordar um deles.
Durante as buscas, foram encontradas, armazenadas em potes plásticos, seis porções de cocaína, quatro de maconha e vinte e três pedras de crack, tudo embalado para a comercialização.

Indagado, o abordado relatou estar no local por ser usuário de drogas.

Diante da situação, o homem, de 25 anos, foi levado até a Delegacia de Polícia Civil, onde foi lavrado o Termo Circunstanciado por uso e porte de entorpecente, que será encaminhado ao Juizado Especial Criminal (Jecrim) para audiência.

A droga foi apreendida e entregue à autoridade competente.

Continuar Lendo

Polícia

Filho confessa ter matado e incendiado corpo do pai em Paranaguá

Confissão ocorreu enquanto ele tentava se atirar de uma passarela.

Publicado

no

Fim do mistério sobre o corpo encontrado em cima de uma cama, todo queimado, após um incêndio no bairro Vale do Sol, na madrugada desta sexta-feira (22) em Paranaguá.

A vítima é um filiado ao Sindicato dos Ensacadores (Movimentação de Mercadorias) e o autor do homicídio foi um dos filhos dele.

O cadáver foi descoberto após equipes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros atenderem um chamado de incêndio em uma residência, na Rua Júlio Groth Elias, por volta das 3h40 na madrugada.

Depois das chamas terem sido controladas, foi constatado que uma pessoa havia morrido dentro da moradia.

Vizinhos contaram aos policiais militares terem escutado um disparo de arma de fogo (há quem diga que foram dois) e, em seguida, um veículo arrancando bruscamente.
Carlos Roberto Nunes, o Carlão (foto), de 55 anos, morava na residência incendiada e tinha sérios problemas de relacionamento com um dos filhos, e esse, na noite desta sexta-feira, acabou confessando a morte do pai.
Paulo Roberto Nunes, de 25 anos (foto), que até então era suspeito do brutal homicídio, tentou se atirar da passarela da Estrada das Praias e mobilizou equipes da Ecovia, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

Paulo ficou na parte de cima da passarela, com um dos pés para fora, e ameaçava se jogar a toda hora. O trânsito sentido praias ficou interrompido durante toda negociação.

Ele chorava muito e acusava o pai de ter abusado sexualmente de familiares – repetindo o que havia postado em seu perfil no facebook no dia 17 deste mês.

NA PASSARELA
Após cerca de duas horas de negociações, conduzidas pelo tenente Merege, da Polícia Militar, Paulo Roberto Nunes aceitou descer do local – que teve que ser aberto com o uso de ferramentas para que ele descesse em segurança.
Ele foi conduzido em uma ambulância do SAMU para o Hospital Regional do Litoral, onde ficará sob escolta da PM. Após, será levado à Delegacia de Polícia Civil, já que, enquanto esteve sobre a passarela, confessou ter assassinado o pai.

MATOU PADRE EM 2016
Paulo Roberto Nunes já tem passagens pela polícia, inclusive por homicídio.

Em 2016, ele confessou ter matado o padre Auci Ribeiro Lucas, de 45 anos, em Matinhos, no litoral do Paraná.

O crime teria tido motivações passionais.

Segundo o que Paulo Roberto contou à polícia, o padre pagava para que os dois mantivessem relações sexuais.

À época, Paulo, com 21 anos, confessou que o homicídio foi motivado por um desentendimento por conta desses pagamentos.
O padre Auci Ribeiro Lucas era natural de Iporá, no noroeste do estado, e atuou nas paróquias Nossa Senhora da Paz e São Cristovão, em Paranaguá. Antes, na Igreja da Paz, Auci trabalhou como Pároco por anos.

Continuar Lendo

Polícia

Homem carbonizado em Paranaguá teria plantação de maconha em Quatro Barras

Suspeita é da Polícia Civil que está investigando o caso.

Publicado

no

REPORTAGEM EXCLUSIVA

O homem que foi encontrado carbonizado na caçamba de uma caminhonete Silverado, na segunda-feira (18), na localidade do Ribeirão, bairro Alexandra, em Paranaguá, no Litoral do Paraná, seria responsável por uma plantação de maconha em Quatro Barras, na região metropolitana de Curitiba.

A suspeita é da Polícia Civil, que começou a ligar os dois casos, após a descoberta da plantação pela Guarda Civil Municipal de Quatro Barras, na manhã de quarta-feira (20).
Os GCMs chegaram até a plantação, na Rua Ozires Cunha, zona rural do município, após uma denúncia anônima. No local foram encontrados cerca de 1.500 pés da droga.
Duas pessoas, de nacionalidade colombiana, que estavam na área de plantio da maconha, conseguiram fugir. No entanto, eles deixaram para trás as suas identidades.
A operação da Guarda Civil de Quatro Barras teve apoio da Polícia Militar.

Com informações da Guarda Civil de Quatro Barras

SUSPEITA
A suspeita da Polícia Civil é que Isac de Souza Ferreira, de 30 anos, suposto nome do corpo encontrado carbonizado em Paranaguá (que ainda não foi confirmado oficialmente pelo IML, que necessitará de exame de DNA para comprovação) seria o responsável pelo plantio de maconha, visto que a área onde os 1.500 pés de maconha foram encontrados estaria em seu nome.

NOTÍCIA RELACIONADA

Corpo carbonizado é encontrado em caminhonete incendiada

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.