Ligue-se a nós

Polícia

Homem é preso em Antonina após aplicar golpe do bilhete premiado em Guaratuba

Familiares da vítima chegaram a pensar que ele tivesse sido sequestrado.

Publicado

no

Um homem foi preso em Antonina, na manhã desta segunda-feira (29), acusado de aplicar o famoso golpe do bilhete premiado em Guaratuba, no Litoral do Paraná.

A prisão foi feita por policiais militares do 9º Batalhão, que, no início da manhã, haviam sido chamados para investigar uma denúncia de um possível sequestro.

Com o tempo – e graças a câmeras de monitoramento – os militares descobriram que, na verdade, o que teria ocorrido era um crime de estelionato, praticado por um homem que estava em um veículo Fiat Punto, de cor branca, placas AZO-5527.

Esse homem havia passado a lábia em um idoso de 83 anos e este acabou caindo no golpe, chegando inclusive a ir numa agência bancária e retirar uma certa quantia em dinheiro e entregar para o estelionatário em troca de uma parte do suposto prêmio que o golpista iria receber de um bilhete que estaria premiado.

O carro do vigarista foi abordado em Antonina e o condutor admitiu ter aplicado o golpe.

Ele, e depois um comparsa que ajudava no golpe, foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Antonina para as medidas cabíveis.

A vítima entregou R$ 2 mil e mais um salário mínimo que havia acabado de sacar de sua conta, além da carteira com todos documentos pessoais e o RG da esposa falecida.

O GOLPE
O golpe do bilhete premiado é antigo, já era aplicado no século 19, mas faz vítimas até hoje.

Os idosos são as principais vítimas dos criminosos, que, geralmente, agem em dupla e se passam por gente muito humilde, sem instrução, que precisam de ajuda para resgatar o dinheiro de um bilhete premiado, já que não possuem documentação e não conseguiriam receber o valor do prêmio no banco.

O primeiro a aparecer é o “coitado”, que é uma pessoa malvestida, de fala simples e que se diz do interior. É ele quem escolhe o alvo (a preferência é por pessoas idosas caminhando distraidamente) e o aborda, pois está procurando por algo, seja um endereço ou uma pessoa, e precisa de ajuda. A missão do “coitado” é despertar o sentimento de pena na vítima.

Apenas após conquistar a simpatia da vítima, o “coitado” conta sobre o bilhete premiado. É neste momento que o segundo “ator” aparece. Ele é uma “pessoa de bem”, que está bem vestida (geralmente de terno), tem boa fala e se apresenta como um advogado ou outra profissão de respeito. Ele oferece ajuda para o “coitado”, que demonstra gratidão e oferece uma recompensa a estas duas pessoas que estão prestando o auxílio.

Existem várias desculpas inventadas pelos golpistas, mas a mais comum é que o “coitado” não tem documentos para retirar o prêmio e, por isso, precisa de ajuda para fazer o saque.

A “pessoa de bem” intervém e sugere uma prova de confiança. Os três entram no carro da “pessoa de bem”— um veículo grande e bonito — e ele busca uma maleta com muito dinheiro — que é falso.

Na sequência, é a vez da vítima provar que é confiável e, para isso, os golpistas a levam até em casa ou no banco para buscar suas economias.

Os estelionatários, inclusive, recomendam para a vítima dizer no caixa do banco que quer tirar o dinheiro para uma reforma ou comprar remédios. Os criminosos não entram no banco para evitar serem filmados pelas câmeras de vigilância.

Após terem certeza que a vítima não tem mais dinheiro para oferecer, o que pode levar horas de “convivência”, o “coitado” começa a passar mal. A intenção é que a vítima desça do carro e deixe o dinheiro. Para isso, os golpistas sugerem a compra de uma água, comida ou remédio.

Quando a vítima retorna, os golpistas já fugiram. Muitos demoram para entender que foram vítimas de golpes. Por vergonha, diversos golpes não são denunciados à polícia, o que dificulta a identificação e prisão dos estelionatários.

Deixe seu comentário!

Polícia

Casal é preso em flagrante por tráfico de drogas em Pontal do Paraná

Ação da ROTAM foi sexta-feira na Vila Progresso.

Publicado

no

Por

Na noite de sexta-feira (10), policiais militares do 9º Batalhão prenderam um casal acusado de tráfico de drogas em Pontal do Paraná.

A ação foi realizada por uma equipe da ROTAM (Rondas Ostensivas Tático Móvel), na Rua São Miguel Arcanjo, na Vila Progresso.

Na ocasião, os militares realizavam patrulhamento de rotina quando avistaram dois homens e duas mulheres se comportando de forma suspeita.

Ao enxergarem a viatura, o grupo tentou se dispersar indo para direções opostas. Contudo, a ação dos PMs foi mais rápida.

Uma policial feminina deu apoio durante a averiguação pessoal nas abordadas. Com uma das mulheres, os policiais localizaram 20 pedras de crack, prontas para a comercialização.
CONFISSÃO
Indagada, a jovem de 22 anos relatou que ela e o seu cônjuge, de 20 anos, um dos homens abordados, estavam comercializando o entorpecente na região.

Em virtude do flagrante, o casal recebeu voz de prisão e foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Pontal do Paraná onde ficou à disposição da Justiça.

Continuar Lendo

Polícia

Policial aposentado é assassinado em Pontal do Paraná

Corpo dele foi encontrado dentro de casa, em Ipanema.

Publicado

no

Por

O policial rodoviário federal aposentado Mauri José Stocco Carneiro, de 75 anos, foi assassinado em Pontal do Paraná.

O corpo do idoso foi encontrado embaixo de um colchão, em um quarto, dentro da casa onde morava sozinho, na Rua Mergulhão, no balneário Ipanema.

Mauri teria sido estrangulado com uma corda e atingido por diversos golpes, provavelmente de faca.

A descoberta do cadáver do policial ocorreu na tarde de quinta-feira (8) e foi feita por familiares dele, que haviam estranhado o sumiço e a falta de contato dele desde segunda-feira.

A última vez que Mauri Stocco Carneiro foi visto caminhando pela rua aonde morava foi na terça-feira (6).

Tudo indica que o policial aposentado tenha sido vítima de latrocínio (roubo seguido de morte) já que, segundo os parentes, um televisor e outros objetos haviam desaparecido da residência da vítima.

Continuar Lendo

Polícia

Motoboy que era procurado pela Justiça é preso em Matinhos

Prisão ocorreu após denúncia anônima para o 190.

Publicado

no

Por

Em Matinhos, no Litoral do Paraná, policiais militares do 9º Batalhão prenderam, no início da noite de quarta-feira (8), um motoboy de 37 anos. Ele era procurado pela Justiça. A ação foi realizada após uma denúncia anônima por uma equipe de RPA (Rádio Patrulha Alto) da 2ª Companhia.

A informação dava conta sobre um indivíduo, conduzindo uma motocicleta Honda CG 150, de cor azul, de uma pizzaria conhecida no município, o qual estaria com mandado de prisão expedido em seu desfavor.

Os militares, munidos das características, realizaram patrulhamento por toda a região, até que, por volta das 21 horas, encontraram o suspeito transitando pela Rua Ribeirão Preto, no bairro Mangue Seco.

Realizada a abordagem e busca pessoal, nada de ilícito foi localizado com o suspeito. No entanto, após pesquisa no sistema de investigação policial, os militares encontraram o mandado de prisão expedido contra ele, por revogação de benefício, expedido pela 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, com validade até 2026.

Diante do fato, o motoboy – cujo nome não foi divulgado – recebeu voz de prisão e foi encaminhado até a Delegacia Cidadã de Matinhos ficando à disposição da Justiça.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.