Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
PUBLICIDADE
Paraná

Vândalos danificam placa de quase 200 anos do cemitério de Antonina

Gazeta do Povo
Uma placa histórica datada de 1837 foi danificada por vândalos no Cemitério Paroquial Bom Jesus, em Antonina, no Litoral do Paraná. O objetivo pertence ao túmulo do Capitão-Mor Manuel José Alves, fundador da centenária Igreja Bom Jesus do Saivá, e estava fixada ao lado do portão de entrada do templo católico, o qual é vizinho do campo-santo. A situação evidenciou a falta de segurança no local.

Quem verificou o dano à peça histórica foi o conselheiro tutelar Israel Cordeiro Rodrigues, que mora no Centro e passa diariamente pelo local. “Eu estava indo ao mercado e, quando olhei para a igreja, percebi que a placa estava danificada, como se tivessem tentado arrancá-la”, disse. Diante da situação, ele fotografou o objeto e publicou a imagem nas redes sociais na tentativa de chamar a atenção das autoridades. “Afinal, temos que cuidar dos nossos monumentos históricos”. Com a ação dos vândalos, a placa ficou praticamente solta e um outro morador resolveu retirá-la do túmulo e entregou aos cuidados do padre da Igreja Bom Jesus do Saivá.

A igreja é tombada pela Coordenação do Patrimônio Cultural (CPC) do Paraná e ainda integra o setor da cidade de Antonina que é tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). No entanto, a denúncia de vandalismo não chegou a essas instituições, que só ficaram sabendo do fato pela Gazeta do Povo.

De acordo com Sérgio Krieger, coordenador do patrimônio cultural do estado, a instituição não possui uma equipe de fiscalização e precisa do auxílio de moradores para identificar casos de vandalismo. No entanto, ele informou que técnicos já haviam realizado uma vistoria no local em meados de junho e constatado outros problemas na conservação do patrimônio. “Até o teto [da igreja] precisava ser trocado urgentemente”.

O Iphan até doou telhas para essa troca e também iniciou o processo para restauração do imóvel. Segundo Anna Eliza Singer, chefe da divisão técnica do instituto, o projeto será custeado pela empresa Cantú Energética S/A, como uma das medidas compensatórias exigidas após a construção de centrais elétricas em quatro municípios do Paraná. O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para início da obra de restauro foi assinado na última quarta-feira (8) e a empresa tem até novembro de 2019 para finalizar o trabalho.

Além disso, o Iphan informa que até a próxima quinta-feira (16) alguns técnicos farão uma visita à Igreja Bom Jesus do Saivá para verificar a situação da placa histórica deteriorada e confirmar se ela será reinstalada no túmulo antes ou após a restauração do templo.

Empresa tem até novembro de 2019 para finalizar a restauração do imóvel

Insegurança
Para a moradora Josemeri Marun, de 53 anos, esse cuidado com os monumentos históricos do estado é louvável, mas apenas restaurar o espaço não resolverá o problema. “Precisamos urgentemente de uma intensificação na segurança, para que o dinheiro investido na restauração não seja jogado fora”, afirmou.

Segundo ela, o ato e vandalismo à placa centenária não é algo isolado, já que inúmeras placas do Cemitério Bom Jesus e do Cemitério Municipal foram furtadas desde o mês de julho. “Estão fazendo uma limpa”, disse. E o túmulo da família de Josemeri foi um dos alvos. “Tínhamos sete placas, mas só ficou uma. Isso é muito triste porque trata dos nossos parentes amados”, lamentou.

De acordo com a prefeitura do município, um grupo de seguranças municipais já tem atuado nas edificações públicas e realizado rondas noturnas em espaços como o cemitério. Mesmo assim, uma reunião foi organizada nesta semana para buscar alternativas que melhorem a segurança na região.

O encontro contou com representantes do Conselho Comunitário de Segurança de Antonina, da Polícia Civil e da Polícia Militar para tratar de assuntos como os furtos das placas dos cemitérios. Segundo o diretor de finanças Eliseu Marchiori Trancoso, a prefeitura solicitou o empenho das duas corporações e se comprometeu a oferecer apoio logístico aos policiais. Entre os itens prometidos pela prefeitura estão materiais de escritório, produtos de limpeza e a disponibilização de um servidor público para auxiliar nas atividades da Polícia Civil.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios