Ligue-se a nós

Paraná

Safra de grãos do Paraná deve alcançar 23,4 milhões de toneladas

Volume poderá ser 19% acima de igual período de 2018

Publicado

no

A safra de grãos de verão do Paraná 2019/20 está praticamente toda plantada, impulsionada pela melhora climática ocorrida durante parte do mês de outubro e início de novembro.

O Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e Abastecimento estima que poderão ser colhidas até 23,4 milhões de toneladas, volume que, se concretizado, será 19% acima de igual período do ano anterior quando foram colhidos 19,7 milhões de toneladas.

De acordo com o diretor em exercício do Deral, Marcelo Garrido, a estiagem e o calor, principalmente em setembro e outubro, podem provocar ainda algum impacto na produtividade. Mas isso não pode ser dimensionado agora, pois as lavouras ainda estão em início de desenvolvimento.

O plantio de soja ocupa 92% da área plantada em todo Estado, com 5,4 milhões de hectares. A área total plantada com grãos de verão no Paraná atinge 5,98 milhões de hectares. O clima melhorou e muitas lavouras se recuperaram do período de falta de chuvas e excesso de calor que impediu o plantio, principalmente no mês de setembro.

As regiões mais afetadas foram Oeste e Centro-Oeste. Garrido destaca que em pelo menos 20 dias de setembro houve interrupção do plantio por causa do clima e muitos casos de replantio quando retornaram as chuvas em outubro. Atualmente cerca de 96% da área está plantada.

No Norte Pioneiro e parte da região de Londrina o plantio de soja e o desenvolvimento inicial permaneceu mais afetado. “Não dá para dimensionar os impactos ainda. Mas esperamos redução na produtividade”, disse Garrido.

A previsão para a safra de soja 19/20 está mantida em 19,8 milhões de toneladas, volume 23% maior que na safra passada, quando foram colhidas 16,1 milhões de toneladas. Do total plantado, 80% das lavouras estão em boas condições, 18% em condições médias e 2% em condições ruins.

MILHO – A primeira safra de milho está totalmente plantada, ocupa uma área de 335 mil hectares – 7% a menos que na safra anterior. A estimativa de produção é de 3,1 milhões de toneladas, repetindo o volume da safra passada.

FEIJÃO – O feijão das águas, como é conhecida a primeira safra de feijão do Paraná, está com o plantio praticamente concluído, ocupando 151,4 mil hectares, área 7% inferior em relação a igual período do ano passado.

A maior parte das lavouras (88%) também está em boas condições e o Deral estima uma produção de 304,6 mil toneladas – 23% acima da safra anterior. Se confirmado o aumento serão 57 mil toneladas a mais de feijão nessa safra, volume expressivo e que indica recuperação da produtividade de feijão.

Das lavouras de inverno, trigo e cevada estão com colheitas concluídas

O trigo da safra 2019 está quase todo colhido, indicando um volume total de 2,1 milhões de toneladas, volume 24% menor do que na safra passada e 35% menor em relação ao potencial da cultura no Paraná.

As lavouras foram prejudicadas por uma geada severa que atingiu o início do desenvolvimento vegetativo em 6 de julho de 2019, evento seguido de falta de chuvas durante as fases de floração e frutificação, fases mais sensíveis da cultura. Com perda de produtividade, houve uma perda de 1,3 milhão de toneladas de trigo no Estado. As perdas mais intensas foram verificadas nas regiões Oeste e Centro-Oeste.

Segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho, grande parte do trigo colhida na região Oeste teve que ser direcionada para alimentação animal. Nas demais regiões, principalmente no Sul, o trigo colhido foi de boa qualidade.

A colheita de cevada foi concluída, com um volume de 241,5 mil toneladas, volume 10% maior que na safra anterior. Mesmo assim, o volume esperado foi 12% menor que a estimativa inicial do Deral, disse o engenheiro agrônomo Rogério Nogueira. A safra de cevada é de ótima qualidade e 62% do volume já foi negociado para as indústrias de processamento do grão situadas entre Ponta Grossa e Guarapuava.

MANDIOCA – A mandioca é um produto importante da cesta básica, cujo plantio gera muitas oportunidades de trabalho no campo porque é pouco mecanizada, explica o economista do Deral, Methodio Groxko. Além disso, vem aumentando a demanda por seus subprodutos, porque atende ao apelo consumidor do momento que é produto sem glúten.

O plantio da raiz está concluído, ocupando uma área de 139 mil hectares, 2% a mais que no ano passado. O plantio é concentrado nas regiões de Paranavaí, Umuarama, Campo Mourão e Toledo. Segundo Groxko, o desenvolvimento das lavouras está em bom estado, sem grandes problemas.

As lavouras também sofreram com a falta de chuvas em agosto, mas se recuperaram. A estimativa de produção aponta para um volume de 3,3 milhões de toneladas de raiz, 4% acima da anterior.

Paraná

Sesa divulga primeiro boletim do novo período sazonal da dengue no Estado

Monitoramento terá sequência até julho de 2021.

Publicado

no

Por

A Secretaria da Saúde do Paraná divulgou, na terça-feira (11), o primeiro boletim do novo período sazonal da dengue no Estado. O monitoramento terá sequência até julho de 2021, com dados notificados pelos municípios, acompanhados pelas Regionais de Saúde e analisados e publicados pela Coordenadoria de Vigilância Ambiental, vinculada à Diretoria de Atenção e Vigilância em Saúde.

O informe inicia o período com 79 novos casos confirmados, em 29 municípios. São 484 notificações e 350 casos em investigação.

“Mesmo diante da pandemia da Covid-19 não podemos nos descuidar da dengue, que se mantém como uma das maiores preocupações do Governo do Estado. Nossa mobilização para combater a proliferação do mosquito transmissor da doença é permanente, com apoio às ações em todos os municípios”, afirma o secretário da Saúde Beto Preto.

“O mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, se prolifera inclusive no inverno, por isso a recomendação de eliminação dos criadouros é válida para o ano todo. A dengue mata, mas pode ser evitada com a adoção sistemática da remoção dos focos”, explica o secretário.

Antes do início do novo período epidemiológico, a secretaria estadual da Saúde promoveu um ciclo com sete videoconferências com profissionais que atuam nas 22 Regionais de Saúde, secretarias municipais e unidades de saúde, nas áreas de Vigilância e Assistência.

Os encontros virtuais foram realizados com o objetivo de alinhar condutas de prevenção e de manejo de pacientes com dengue. Mais de 200 profissionais participaram da ação.

Recentemente, a pasta repassou R$ 7 milhões para a aplicação em medidas de controle e prevenção em 236 municípios.

O boletim apresenta, como novidade, o canal endêmico do Estado representado graficamente. “Por meio das imagens podemos avaliar as ocorrências e observar se os números ultrapassam os limites esperados”, explica a coordenadora de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte.

As cidades com maior registro de casos confirmados na primeira publicação do período são: Foz do Iguaçu (20), Londrina (14), Pérola (9), Boa Vista da Aparecida (4) e Umuarama (3).

Ivaiporã , Maringá, Indianópolis, Goioerê e São Miguel do Iguaçu tiveram 2 casos confirmados cada uma. Os municípios de Tibagi, Marechal Cândido Rondon, São Pedro do Ivaí, Apucarana, Sarandi, Mandaguaçu, Colorado, Querência do Norte, Porto Rico, Inajá, Cruzeiro do Sul, São Jorge do Patrocínio, Ubiratã, Iretama, Campina da Lagoa, Cascavel, Medianeira, Marmeleiro e Dois Vizinhos registraram uma confirmação da doença.

HISTÓRICO – A Sesa monitora os dados da dengue desde 1991. O primeiro boletim apresentou 161 notificações e 16 casos confirmados, sendo que todos foram importados – os pacientes foram infectados fora do Paraná. O primeiro informe não teve registro de óbitos.

O ano de 2007 marcou a primeira grande epidemia de dengue no Paraná. Foram mais de 50 mil notificados, cerca de 26 mil casos confirmados e sete pessoas morreram.

A série histórica da doença aponta que o último período, de 2019/2020, foi o de maior registro de casos, finalizado com 227.724 confirmações e 177 óbitos.

CLIQUE AQUI para ver a íntegra do boletim.

Da Agência Estadual de Notícias
Continuar Lendo

Paraná

Dupla que matou cabo da PM em assalto é condenada a mais de 23 anos de prisão

Juiz também determinou que os dois paguem R$ 100 mil em indenização à família da vítima.

Publicado

no

Por

Imagem da câmera de segurança do local do crime

Dois homens foram condenados, nesta terça-feira (11), a mais de 23 anos de prisão cada pela morte de um cabo da Polícia Militar (PM) durante um assalto em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. (veja matéria relacionada abaixo)

De acordo com a sentença do juiz Sérgio Bernardinetti, da Vara Criminal de Piraquara, Matheus Henrique Lemes Maciel deve cumprir 23 anos e um mês de prisão e Thiago Barbosa de Oliveira foi condenado a 25 anos e quatro meses de prisão, ambos em regime fechado.

A dupla foi condenada por roubo seguido de morte e corrupção de menor. O juiz também determinou que os dois paguem R$ 100 mil em indenização à família da vítima.

O crime
O crime aconteceu sábado, 14 de dezembro de 2019. De acordo com a polícia, o cabo da PM Edson Luiz Cordeiro Borges estava de folga e foi baleado ao trocar tiros com os dois homens, que saíam do estabelecimento com uma sacola de mercadorias após o assalto.

Após ser baleado, o policial foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros, mas não resistiu e morreu no hospital.

MATÉRIA RELACIONADA

Assalto termina com PM morto e bandido baleado

Continuar Lendo

Paraná

Farmácias do Estado auxiliam no enfrentamento à pandemia

Trabalho foi desenvolvido pelo setor de assistência farmacêutica e pelo Cemepar

Publicado

no

Por

Farmácia de Paranaguá. Foto: Márcia Regina

A Secretaria de Estado da Saúde promoveu ajustes na entrega de medicamentos e reduziu a necessidade de circulação de pessoas nas sedes das farmácias das Regionais de Saúde. O trabalho foi desenvolvido pelo setor de assistência farmacêutica e pelo Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar).

“Quando começamos a diagnosticar pessoas infectadas com o novo coronavírus, prontamente colocamos todas as áreas para pensar o que seria possível modificar para evitar aglomeração de pessoas. A farmácia é um dos serviços que atende mais de 257 mil pessoas no Paraná inteiro, por isso foi de extrema importância a rapidez nas adequações e ajustes realizados”, explicou o secretário da Saúde, Beto Preto.

Equipe que atua em Paranaguá

O Estado tem 23 farmácias localizadas nas 22 Regionais de Saúde que atendem aos usuários cadastrados para o recebimento de 280 itens (medicamentos e insumos) do componente especializado da assistência farmacêutica e do elenco complementar.

Desde o início de março, após a publicação do Decreto 4230/2020, o atendimento aos usuários tem sido somente no horário agendado. Além disso, é permitida a entrada de somente uma pessoa (usuário ou seu representante), que deve obrigatoriamente estar com máscara.

Os locais foram reorganizados em relação aos fluxos de trabalho e adequação dos ambientes físicos. Nas áreas de espera houve redução de cadeiras possibilitando um maior espaçamento entre elas para que o distanciamento seja respeitado, além da disponibilização de álcool em gel.
ANTECIPAÇÃO – Em relação à dispensação dos medicamentos do componente especializado, as farmácias foram orientadas, já a partir de 16 de março, a entrega antecipada para dois ou três meses de tratamento, a depender dos seus estoques e da orientação do Cemepar.

No primeiro trimestre de 2020 foram 194.465 dispensações, sendo que no segundo trimestre esse número cai para 134.195. Esta medida trouxe uma redução de 60.270 pessoas circulando nas farmácias, o que contribuiu em muito para diminuir a aglomeração nesses ambientes.

“A estratégia foi tão bem-sucedida que será adotada daqui para frente como regra, independente da pandemia. As farmácias com maior número de pacientes já realizavam a dispensação para dois meses, porém agora essa regra está sendo adotada por todas as 22 Regionais de Saúde”, explica a coordenadora de Assistência Farmacêutica, Deise Pontarolli.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.