Ligue-se a nós

Paraná

Operação da PF contra facção criminosa cumpre 101 mandados de prisão

Operação acontece em 20 estados e cumpre mais de 600 mandados

Publicado

no

Fotos: Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta segunda-feira (31), 101 mandados de prisão e 72 de busca e apreensão no Paraná na segunda fase da Operação Caixa Forte, que investiga crimes de lavagem de dinheiro de uma facção criminosa ligada ao tráfico de drogas.

A operação acontece em 20 estados brasileiros e cumpre mais de 600 mandados. O Paraná é o estado com maior número de mandados.

Também foram bloqueados cerca de R$ 252 milhões em contas ligadas ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

A polícia investiga lavagem de dinheiro e pagamento de valores mensais a membros do grupo que estão presos e que ocuparam cargos de relevância na organização criminosa ou executado missões determinadas pelos líderes do grupo como, por exemplo, execuções de servidores públicos.

Segundo a PF, há mandados sendo cumpridos contra pessoas em liberdade e presas. No Paraná, 32 alvos estão presos em quatro penitenciárias do estado.

Esta é a maior operação da corporação em número de estados, mandados e valores apreendidos.

Operação “Caixa Forte”, em Belo Horizonte

Investigações
A primeira fase da operação identificou que 210 membros da facção criminosa, que estão presos, recebiam os pagamentos mensais.

Os pagamentos eram feitos por meio de contas de pessoas que não pertenciam à facção, a fim de evitar a identificação dos recursos por parte das autoridades.

Entre os alvos estão integrantes do PCC, familiares e outras pessoas responsáveis por ‘lavar dinheiro’ para a organização.

A operação é realizada pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Minas Gerais (FICCO), composta por Polícia Federal, Polícia Civil de Minas Gerais, Polícia Rodoviária Federal e Departamento Penitenciário Nacional (Depen) de MG.

Do G1

Deixe seu comentário!

Paraná

Servidores do Estado poderão retomar atividades presenciais

Decreto altera orientações anteriores sobre o funcionamento dos órgãos públicos estaduais durante a pandemia

Publicado

no

Por

Foto: Geraldo Bubniak

Os servidores da administração pública estadual poderão retomar as atividades presenciais que desempenhavam antes da pandemia. A medida atende disposto no Decreto 5.686/20, de 15 de setembro, e a Resolução 1.129/20, editada nesta segunda-feira (21) pela Secretaria de Estado da Saúde.

O documento estabelece que os órgãos e entidades devem obrigatoriamente seguir todas as medidas de prevenção contra o novo coronavírus previstas na legislação sanitária. (veja abaixo)

Os termos da resolução que complementa o decreto, e fixa critérios para o enquadramento dos servidores pertencentes ao grupo de risco, foram apresentados pelo secretário estadual de Saúde, Beto Preto, ao governador Carlos Massa Ratinho Junior durante reunião virtual de secretariado. Em linhas gerais, os titulares das pastas serão responsáveis pela organização dos seus quadros.

O decreto altera orientações anteriores sobre o funcionamento dos órgãos públicos estaduais durante a pandemia. Desde março, quando foram publicadas as primeiras normativas para o enfrentamento da Covid-19, ficou determinado o regime de teletrabalho para grande parte do quadro, além de horário reduzido de expediente presencial.

Com a edição dos novos textos, os titulares dos órgãos e entidades da administração pública direta, autárquica e fundacional poderão decidir pela retomada – total ou parcial – do expediente e do atendimento presencial ao público, de acordo com a necessidade administrativa de cada área.

Os gestores podem instituir jornadas diferenciadas, respeitando a carga semanal de trabalho de cada servidor, com o registro habitual do ponto.

A mudança retira a imposição de teletrabalho, mas assegura que esse regime ainda pode ser concedido a quem tem idade igual ou superior a 60 anos, gestantes, lactantes com filhos de até seis meses ou servidores com condições clínicas específicas.

A resolução também orienta que todos os residentes, técnicos e estagiários, de nível médio e superior e de pós-graduação, com idade igual ou superior a 18 anos, poderão retomar as atividades presenciais.

SEM IMPOSIÇÃO – “O objetivo é a retomada de alguns quadros de servidores. Não é impositivo porque temos grupos de risco e todo o controle de circulação ainda é necessário, mas algumas áreas podem voltar. Esse equilíbrio será feito pelos responsáveis pelas suas áreas. A ideia é continuar prestando serviços com qualidade para a população, sempre com responsabilidade e dentro dos critérios estabelecidos pela Saúde”, disse o governador Ratinho Junior.

O secretário da Saúde disse que a medida está ancorada no atual quadro epidemiológico do coronavírus. O Paraná registra queda na média móvel de casos (-10,6% em relação aos últimos 14 dias) e óbitos (-38,9%), de acordo com o boletim desta segunda.

Levando em consideração os registros das semanas epidemiológicas, há queda pela segunda semana consecutiva no número de infecções e mortes.

“Continua em vigência a Resolução 632/20, que estabelece quantidade de pessoas por ambientes e as medidas sanitárias decorrentes das atividades”, destaca Beto Preto. “Muda um pouco em relação ao primeiro decreto porque temos um cenário mais claro da doença”, afirmou.

“O Paraná é um dos que mais testam no País e tem conseguido bloquear os casos rapidamente nos municípios, o que se traduz em menor quantidade de leitos utilizados. A estratégia até agora está equilibrada”.

RESOLUÇÃO – Pela resolução, os órgãos e entidades da administração direta, autárquica e fundacional que retomarem ou mantiverem o regime presencial de trabalho devem obrigatoriamente seguir, para o expediente e atendimento presencial ao público, todas as medidas de prevenção e controle.

Cada pasta deverá estabelecer fluxo próprio para a gestão e processamento dos pedidos de teletrabalho. Para encaminhar o procedimento serão criados novos documentos: formulário de autodeclaração, formulário com as atividades do teletrabalho e despacho de autorização do responsável pelo órgão.

Segundo o texto, serão implementadas diversas medidas de isolamento dos casos confirmados e contatos identificados de casos suspeitos ou confirmados da Covid-19.

Será estabelecido, ainda, isolamento a partir de sintomas, coleta de material para o exame RT-PCR e eventual confirmação do diagnóstico e manutenção do uso de máscaras e da etiqueta respiratória.

Os servidores que tiverem confirmada a infecção pelo coronavírus deverão preencher requerimento eletrônico para solicitação de licença médica, nos termos estabelecidos pela Secretaria de Administração e Previdência.

Todos os protocolos administrativos referentes aos temas relacionados à prevenção da Covid-19 tramitarão em regime de urgência.

Os servidores poderão ser realocados, temporariamente e de forma imediata, para outras unidades, de acordo com a necessidade e interesse da administração de sua pasta, visando sua própria proteção e de toda a população.

Os servidores autorizados a realizar suas atividades por teletrabalho deverão permanecer em isolamento social e/ou quarentena como medida de prevenção e de combate à Covid-19, sob pena de configuração de falta administrativa.

O descumprimento das regras poderá ensejar abertura de sindicância ou processo administrativo.

CLIQUE AQUI para ver a íntegra da resolução da Secretaria da Saúde.

CLIQUE AQUI para acessar o decreto do Governo do Estado.

Continuar Lendo

Paraná

PCPR deflagra operação de combate à pornografia infantojuvenil na internet

Serão cumpridos 24 mandados de busca e apreensão em diversas cidades do Paraná

Publicado

no

Por

Fotos: PCPR

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está nas ruas desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (21), para deflagrar a terceira fase da operação “Proteção Integral”, cujo objetivo é combater a pornografia infantojuvenil na internet.

Serão cumpridos 24 mandados de busca e apreensão, em diversas cidades do Paraná. É a maior operação deste tipo já realizada no Estado.
Cerca de 151 policiais civis realizam, simultaneamente, buscas em 15 municípios:

  • Curitiba (seis mandados);
  • São José dos Pinhais (2);
  • Quatro Barras (1);
  • São Mateus do Sul (1);
  • Pato Branco (1);
  • Marmeleiro (1);
  • Cascavel (1);
  • Maringá (1);
  • Londrina (1);
  • Ibiporã (2);
  • Ponta Grossa (1);
  • Apucarana (1);
  • Arapongas (2);
  • Terra Boa (1);
  • Godoy Moreira (1);
  • Marechal Cândido Rondon (1)

A operação é resultado de um trabalho de inteligência realizado por agentes especializados da PCPR. Durante as buscas, devem ser apreendidos computadores, notebooks, pendrives, HDs e outros dispositivos que possam ter armazenamento de fotos ou vídeos de crianças e adolescentes em situação sexual.

Continuar Lendo

Paraná

Alunos indígenas produzem o próprio sabão para prevenir Covid-19

Sabão foi feito e distribuído às famílias da Comunidade da Terra Indígena Ivaí

Publicado

no

Por

Fotos: SEED

Para ensinar na prática a prevenção contra a Covid-19 aos alunos do Colégio Estadual Indígena Cacique Gregório Kaekchot, na cidade de Manoel Ribas, no Centro do Estado, professores desenvolveram o Projeto do Sabão. Além de explicar a importância da correta higienização das mãos, mostra aos estudantes como produzir esse item de limpeza.

A iniciativa é desenvolvida na Terra Indígena Ivaí.

A ideia surgiu de uma roda de conversa sobre educação escolar nas comunidades indígenas, como explica a professora Auria Nack.

“Na ocasião eu fiquei pensando no que eu poderia fazer na minha disciplina, já que sou professora de biologia e química. Pensei em algo que daria para abordar nesse momento de isolamento social que nós estamos vivenciando, algo útil que a comunidade poderia utilizar”.
UNIÃO – De acordo com diretora do colégio, Patrícia Betelli, o projeto envolve turmas desde a Educação Infantil até o Ensino Médio.

Os professores elaboraram apostilas com atividades e instruções voltadas ao projeto, reforçando questões relacionadas às áreas de educação  ambiental, cidadania e sustentabilidade. Também explicaram os conteúdos através de vídeos e áudios, material que foi disponibilizado para os alunos.

O sabão foi feito e distribuído às famílias da Comunidade da Terra Indígena Ivaí com o intuito de conscientizar sobre a prevenção da Covid-19 através da higienização das mãos.

“O objetivo geral do projeto é conscientizar a comunidade escolar sobre a necessidade de reutilizar o óleo de cozinha para amenizar os impactos causados na natureza quando descartado de forma errada. E também é uma alternativa para ajudar na prevenção do Covid-19, já que produto é usado na produção do sabão”, reforça a professora Auria Nack. O projeto, acrescenta, é um sucesso.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.