Ligue-se a nós

Paraná

Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo inicia nesta segunda-feira

1ª etapa vai até o dia 13 de março

Publicado

no

Foto: divulgação

A primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo deste ano começou nesta segunda-feira (10) e vai até o dia 13 de março. Para iniciar a campanha, o Paraná tem o quantitativo de mais de 1,245 milhão de doses da vacina.

“O objetivo desta campanha é interromper a circulação do vírus e garantir alta cobertura vacinal no Estado, que hoje está com cerca de 90% para as crianças de um ano quando o ideal seria de 95% em todas as faixas etárias. A vacina é a única forma de proteção e está disponível nas Unidades de Saúde do Paraná”, alerta o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O Paraná acompanha as estratégias definidas pelo Ministério da Saúde (MS), porém, define ações diferenciadas para conter a transmissão do vírus no Estado.

A campanha nacional preconiza que nesta primeira etapa seja vacinado o público de cinco a 19 anos, entretanto, analisando os casos de sarampo no Paraná, a faixa etária de 20 a 29 anos é a mais acometida pela doença e, como forma de quebrar a transmissão do vírus, o Estado adota uma campanha contemplando as pessoas de cinco até 59 anos.

“A maioria dos casos confirmados de sarampo está na faixa etária de 20 a 29 anos, por esse motivo, o Paraná além de antecipar a campanha para este grupo que seria apenas em agosto, também fará a estratégia de vacinação indiscriminada, ou seja, todas as pessoas nessa faixa etária devem procurar as unidades de saúde nesse período de campanha para receber a vacina contra o sarampo”, explicou a chefe da Divisão de Vigilância do Programa de Imunização da Sesa, Vera Rita da Maia.

Para as demais idades, de cinco a 19 anos e dos 30 aos 59, a vacinação é seletiva. É necessário levar o comprovante vacinal para verificação do esquema, pela unidade de saúde, pois somente será imunizada a pessoa que nunca recebeu a dose ou que esteja com o esquema vacinal incompleto.

DIA D – Para realizar a abertura da campanha nacional e incentivar a vacinação contra o sarampo, no dia 15 de fevereiro, dia D de mobilização nacional, o secretário Nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, estará em Curitiba. A capital paranaense foi escolhida pelo alto número registrado de casos de sarampo.

DOENÇA – O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes do sarampo são mais graves em crianças menores de cinco anos e podem causar meningite, encefalite, pneumonia, entre outras. O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar, por isso o alto poder de contágio da doença.

SINTOMAS – Os sintomas mais comuns são: febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), outros sintomas como cefaleia, indisposição e diarreia também podem ocorrer. Como não existe tratamento específico para o sarampo, é importante ficar atento com o aparecimento dos sintomas. Os doentes ficam em isolamento domiciliar ou hospitalar por um período de sete dias a partir do aparecimento das manchas vermelhas no corpo.

VACINAÇÃO – A vacina contra o sarampo é gratuita e faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. A Sesa orienta para que a população fique atenta às datas da carteira de vacinação e aos registros de doses.

A dose zero deve ser aplicada em crianças entre seis e onze meses. A primeira dose deve ser aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral (que previne sarampo, caxumba e rubéola), e a segunda dose aos 15 meses de vida com a vacina tetra viral (que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora).

A população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose.

Mulheres que estão amamentando podem ser vacinadas. E aquelas que desejam engravidar, devem aguardar no mínimo 30 dias após receber a dose da vacina. Todos os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral em qualquer faixa etária.

Não tem indicação para tomar a vacina pessoas com a imunidade baixa, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade e pacientes que tomam medicações imunossupressoras.

Da Sesa Pr

Deixe seu comentário!

Paraná

Paraná tem 621 casos confirmados e 24 óbitos pelo novo coronavírus

Uma das três mortes de Paranaguá foi computada na cidade onde a vítima residia.

Publicado

no

Por

O boletim do coronavírus divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde nesta quinta-feira (9) registra 71 novos casos e mais sete óbitos. O Paraná soma atualmente 621 pacientes confirmados, com 24 óbitos.

Uma mulher de 83 anos estava internada desde o dia 1º de abril no Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, e teve confirmada a Covid-19 no último domingo (05). Após investigação, o caso da paciente foi transferido para Natal, no Rio Grande do Norte, onde residia efetivamente. Ainda em Paranaguá, faleceu um homem de 48 anos que também estava internado no Hospital Regional do Litoral. Ambos possuíam comorbidades e vieram a falecer nesta quarta-feira (8).

Também na quarta-feira, faleceram três homens, de 55 e 88 anos, que estavam internados em Maringá, e de 42 anos, de Campina da Lagoa.

Um paciente de 72 anos, de Curitiba, estava internado desde o dia 21 de março, tendo a confirmação da doença no dia 27/03; um homem de 56 anos residente também na capital paranaense estava internado desde o dia 02 de abril, tendo a confirmação da doença no dia no domingo (05). Os dois vieram a óbito na terça-feira (7).

NOVAS CONFIRMAÇÕES – Os 71 novos casos são de Almirante Tamandaré (1), Curitiba (32), Pinhais (3), Colombo (2), Cascavel (11), Maringá (2), Araucária (1), Campo Largo (1), Campina da Lagoa (1), Guaraniaçu (1), Foz do Iguaçu (1), São João do Ivaí (2), Manoel Ribas (1), Campo Mourão (1), Fazenda Rio Grande (2), São José dos Pinhais (2), Paranavaí (1), Lapa (1), Piraquara (1), Londrina (2) e Assis Chateaubriand (2).

DADOS GERAIS – O Paraná registra atualmente 24 óbitos dos 621 casos confirmados. Doze pacientes não residem no Estado. Há 5.504 casos descartados e 346 em investigação.

O Estado tem 117 pacientes internados, sendo 68 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 49 em leitos clínicos. Dentre os 399 municípios do Estado, 74 já confirmaram casos ou óbitos.

Até agora, 114 pacientes já foram liberados do tratamento no Paraná. Esse dado não inclui ainda o número do município de Curitiba.

LITORAL O Litoral do Paraná aparece com 21 casos suspeitos de infecção pelo coronavírus: 10 em Paranaguá, 4 em Pontal do Paraná, 4 em Morretes, 2 em Matinhos e 1 em Guaratuba.

Apesar dos três óbitos ocorridos em Paranaguá, a cidade tem oficialmente dois, segundo a Sesa, já que o falecimento da idosa de 83 anos, ocorrido na noite de quarta-feira no Hospital Regional do Litoral, foi computado para a cidade onde ela residia: Natal, no Rio Grande do Norte.

Continuar Lendo

Paraná

Estado soma 102,2 mil casos de dengue e 78 óbitos

São 189 municípios em epidemia e outros 33 em situação de alerta

Publicado

no

Por

O boletim divulgado nesta terça-feira (07) pela Secretaria de Estado da Saúde confirma 102.247 casos de dengue no Paraná, com aumento de 14.527 casos em relação à semana anterior. São mais nove óbitos confirmados, elevando para 78 o número de mortes. A contabilização refere-se ao monitoramento iniciado em agosto de 2019 e que segue até julho deste ano.

“Estamos vivendo um momento de isolamento social, as pessoas estão passando a maior parte do tempo em casa. Por isso, reforçamos nosso pedido para que todos contribuam com uma verificação detalhada nos quintais e nos ambientes internos das residências para eliminação dos criadouros do mosquito transmissor da dengue. É uma questão de responsabilidade social”, destaca o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Ele alerta que o Estado está em situação de epidemia por dengue e que há também a pandemia de coronavírus. “Precisamos aplicar todas as medidas preventivas para as duas infecções, e no caso da dengue já esta comprovado que a retirada dos focos é a melhor alternativa”, complementou.

ELIMINAÇÃO – Nas 37 cidades em que a secretaria estadual da Saúde promoveu mutirões para retirada mecânica dos criadouros a taxa de incidência da dengue foi reduzida. As ações foram coordenadas pelo Comitê Intersetorial de Controle da Dengue no Paraná e, em alguns municípios, contou com a participação de militares estaduais, representantes regionais da Defesa Civil e de soldados do Exército, além dos agentes da Vigilância Ambiental dos municípios.

Quinta do Sol, no Centro-Oeste do Estado, tinha uma taxa de incidência de 17 mil casos por 100 mil habitantes. Nas últimas quatro semanas essa proporção caiu para 323 casos por 100 mil habitantes.

Em Barbosa Ferraz, também no Centro-Oeste, a incidência era de 11.183 mil casos por 100 mil habitantes. Após o mutirão foi constatada redução para 1.279 casos por 100 mil habitantes.

Em Guaíra, a incidência baixou para 124 casos por 100 mil habitantes. Antes da retirada mecânica dos criadouros a taxa era de 5.755 mil casos, proporcionalmente.

Outro resultado positivo, considerado ideal, foi constatado em outras sete cidades. Nova Cantu, Cruzeiro do Sul, Guairaçá, Inajá, Nova Aliança do Ivaí, Santo Antonio do Caiuá e Lupionópolis, que registravam altas taxas de incidência epidêmica acumulada no período, não apresentaram casos de dengue autóctones nas últimas quatro semanas, ou seja, zeraram a incidência neste período de análise.

INFORME – Os nove óbitos que estavam em investigação e foram confirmados neste boletim ocorreram registrados nos seguintes municípios: 2 óbitos em Cianorte (duas mulheres, sem comorbidades, uma de 50 anos e outra de 39); 2 óbitos em Toledo (uma mulher de 88 anos, com quadro de hipertensão, e um homem de 80 anos, com quadro de hipertensão e insuficiência cardíaca); um óbito em Londrina (mulher de 89 anos, com insuficiência renal crônica); um óbito em Ivaiporã (mulher de 37 anos, com sequela de paralisia cerebral); um óbito em Rolândia (homem de 51 anos, sem comorbidade); um óbito em Nova Aurora (homem de 59 anos, sem comorbidade), e um óbito em Santo Antonio da Platina (uma jovem de 15 anos, também sem histórico de doença pré-existente).

O boletim, divulgado na terça-feira (07), também atualiza o número de municípios em epidemia: são 189. Outros 33 estão em situação de alerta.

Continuar Lendo

Paraná

Escolas estaduais iniciam aulas online para mais de um milhão de alunos

Ação faz parte das medidas de combate à disseminação do novo coronavírus por meio do isolamento social

Publicado

no

Por

A Secretaria de Estado da Educação (SEED) informou que iniciou a implantação de pacote de ações que compõem o EAD no Paraná, nesta segunda-feira (6).

Os mais de um milhão de alunos passarão a ter aulas a distância a partir desta semana. Segundo a SEED, as escolas serão reabertas quando a situação for considerada segura pelas autoridades sanitárias.

As aulas são transmitidas na TV aberta e no YouTube. Na televisão, a transmissão ocorre em multicanais da RIC TV, afiliada da Rede Record no Paraná.

Já no YouTube, a transmissão é realizada nos mesmos horários da televisão.

Os vídeos no YouTube já estão no ar e os links dos canais por região do Paraná, a grade horária e os links para as aulas estão disponíveis no site da SEED.

APLICATIVO GARANTE PRESENÇA REGISTRADA
Os estudantes também poderão acompanhar as aulas pelo aplicativo Aula Paraná (que já pode ser baixado para Android e iOS). No aplicativo, além de acompanhar as aulas nos mesmos horários da televisão, o estudante poderá interagir com os professores e colegas em um chat em tempo real.

Segundo a secretaria, o aplicativo não vai consumir dados 3G e 4G, pois a pasta está providenciando pacotes de dados junto a todas as operadoras de telefonia.

As presenças dos alunos serão computadas de acordo com as atividades propostas pelas aulas na TV, pelo celular e pelo computador, e entregues online.

Alunos que não têm acesso à internet poderão entregar as atividades no papel em seus colégios, nos mesmos dias de entrega das merendas ou até sete dias depois que as aulas voltarem à normalidade.

Alunos que não têm acesso nem à TV e nem à internet poderão retirar as atividades propostas quinzenalmente na escola, no dia da retirada da merenda, e entregar na próxima quinzena ou até 7 dias após a retomada das aulas normalmente.

APOIO AO ENSINO MÉDIO
Segundo a secretaria, alunos do ensino médio que trabalham e não conseguem liberação de seus empregos para acompanhar as aulas nas transmissões ao vivo poderão assistir às aulas posteriormente, no YouTube, e fazer as atividades pelos aplicativos Aula Paraná e Google Classroom, que estão em implementação essa semana.

Também está em estudo a possibilidade de reprisar à noite, nos multicanais da TV Record / RIC Paraná, as aulas do EM, principalmente 3º ano. Essa definição será tomada nessa semana.

ACESSOS 
Para baixar o app Aula Paraná para celulares Android, CLIQUE AQUI

Para baixar o app Aula Paraná para celulares IOS, CLIQUE AQUI

Para ver a grade horária, CLIQUE AQUI

Para ver a lista de canais por cidade, CLIQUE AQUI

Continuar Lendo
Anúncio