Ligue-se a nós

Paraná

Ação da Polícia Civil e PRF prende assaltantes que aterrorizavam em Curitiba

Bando abordava vítimas que paravam no acostamento das rodovias por problemas mecânicos

Publicado

no

Foto: SESP

Dois dos três integrantes do bando que impunha terror no bairro Tatuquara, em Curitiba, foram detidos na manhã desta quarta-feira (19) durante uma operação conjunta da Polícia Civil do Paraná (PCPR) e Polícia Rodoviária Federal (PRF). O terceiro participante do grupo ainda encontra-se foragido.
As equipes realizaram as prisões em cumprimento a um mandado judicial, emitido após a identificação pelos agentes da PRF na chamada Operação Acostamento Seguro. São ações criminosas realizadas em rodovias no entorno de Curitiba, especialmente em São José dos Pinhais.
O bando agia de forma violenta, com ameaças e coronhadas nas vítimas, geralmente pessoas com problemas mecânicos em seus veículos e que precisavam estacionar no acostamento. Os policiais estimam que tenham sido praticados até cinco roubos dessa forma.

Os criminosos também promoveram ataques a residências.  Pelo menos uma das vítimas, rendida na estrada, foi mantida refém e obrigada a levar os assaltantes até sua casa, de onde levaram um automóvel que lá se encontrava.
“O modo de atuação da quadrilha é roubar veículos parados no acostamento, em pane, mesmo quando estão sendo atendidos pela concessionária ou algum mecânico. Levavam valores, celulares e tudo o que conseguiam”, explicou o agente Cirilo Álvares, da PRF.

No total, a PCPR e a PRF cumpriram oito mandados judiciais, sendo três de prisão preventiva e cinco de busca e apreensão, relacionados a suspeitos de envolvimento em crimes de furtos, roubos e receptação em Curitiba.

Cinco desses mandados – dois de prisão preventiva e três de busca apreensão – são parte da ação conjunta entre a Polícia Civil e a Polícia Rodoviária. Os restantes são oriundos de duas situações distintas investigadas pelos policiais civis.

O bairro Boa Vista foi alvo de dois mandados de busca e apreensão. Nas diligências, os policiais encontraram diversas munições de pistola 380, que resultou na prisão em flagrante de um homem de 30 anos.
A investigação teve como objetivo identificar a receptação de produtos de roubos e furtos. Os suspeitos estariam aceitando mercadorias sem procedência em troca de entorpecentes. De acordo com as investigações, no mesmo terreno que é alvo das buscas funcionaria uma lanchonete, que seria ponto de comercialização de entorpecentes.

Em outra vertente dos trabalhos policiais, o alvo é suspeito de integrar uma associação criminosa envolvida em roubos contra uma rede de supermercados Condor em Curitiba e Pinhais, na Região Metropolitana.
Uma das ações criminosas aconteceu no dia 26 de setembro de 2019, quando os indivíduos roubaram mais de R$ 200 mil em produtos eletrônicos e aparelhos celulares de funcionários do estabelecimento. O assalto teve a participação de seis homens armados e encapuzados, que usavam luvas.

A polícia suspeita que houve colaboração de funcionários do supermercado, que teriam facilitado o acesso aos assaltantes. “A Polícia Militar encontrou no local um plano com a descrição perfeita do interior do estabelecimento”, afirmou o delegado Victor Loureiro. “Muito provavelmente, algum funcionário deu toda a orientação, incluindo local e a hora para que os ladrões invadissem”, completou o policial.

Deixe seu comentário!

Paraná

69 presos da cadeia de Marechal Cândido Rondon testam positivo para a Covid-19

Local, com 115 presos, está proibido de receber mais detentos.

Publicado

no

Por

Foto: Divulgação Depen

A cadeia de Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná, registrou 69 casos positivos do novo coronavírus em presos. Os resultados dos testes foram divulgados nesta sexta-feira (3) pelas secretarias de Saúde do município e de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR).

Nesta sexta, segundo informações da carceragem, havia 115 presos no local. A Sesp-PR informou que a carceragem foi interditada e novas entradas estão proibidas por causa do alto número de contaminados.

Todos os servidores da carceragem testaram negativo para a Covid-19, de acordo com a pasta.

Conforme a secretaria, os presos com a doença serão tratados no próprio local e receberão acompanhamento de saúde diário.

“O estado de saúde dos presos é considerado bom, com sintomas leves, sendo a maior parte deles assintomáticos. Por isso, até o momento, não foi necessária nenhuma transferência para tratamento de saúde”, diz trecho do comunicado da Sesp-PR.

AUMENTO DE CASOS
Marechal Cândido Rondon registrava 54 confirmações da doença na quinta-feira (2), segundo a prefeitura. Na sexta, o número subiu para 131 casos.

A prefeitura justificou o aumento principalmente por causa das confirmações da cadeia e de outros quatro casos em uma empresa da cidade.

O município não tem mortes registradas em decorrência da Covid-19.

Continuar Lendo

Paraná

Polícia Civil autua médica veterinária por maus-tratos a pitbulls em Curitiba

Cães estavam machucados, sem água e sem comida alguma.

Publicado

no

Por

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) resgatou três cães da raça Pitbull em uma residência, no bairro Mossunguê, em Curitiba, na noite de quarta-feira (1).

Os animais estavam sofrendo maus-tratos. A tutora era uma médica veterinária. Ela e seu marido foram autuados em flagrante pelo crime.

A PCPR chegou até o casal após receber um vídeo em que apareciam os três cães, sendo um deles gravemente atacado pelos outros dois. Este foi encaminhado em estado grave ao hospital veterinário. Os outros dois foram para a Casa do Produtor de Curitiba para receberam os devidos cuidados.

No local, além de encontrar os cães machucados, os policiais civis se depararam com um ambiente extremamente sujo. Os cachorros estavam sem água e sem comida nenhuma.

A médica veterinária e seu marido foram levados para Delegacia da PCPR, onde foram autuados e assinaram Termo Circunstanciado pelo crime de maus-tratos.

Continuar Lendo

Paraná

PCPR cerca quadrilha envolvida no tráfico de drogas e homicídios em Curitiba

Operação ocorre desde as primeiras horas desta segunda-feira.

Publicado

no

ATUALIZADA ÀS 11H45
A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (29), em operação contra suspeitos de um homicídio consumado e outro tentado, no bairro Parolin, em Curitiba.

O objetivo é cumprir 12 mandados judiciais, sendo quatro mandados de prisão temporária e oito de busca e apreensão.

Para realizar a missão, 65 policiais civis – das áreas de investigação, inteligência e operações especiais – fazem um cerco na região de atuação do grupo criminoso, onde estão sendo cumpridos os mandados.

Cães farejadores da PCPR auxiliam nas buscas por drogas, armas e foragidos. Mais de 20 viaturas estão sendo utilizadas.

Os alvos da ação são indivíduos suspeitos de envolvimento no assassinato de Douglas dos Santos Rodrigues, de 20 anos, e na tentativa de homicídio contra uma segunda vítima, de 23. Os crimes ocorreram no dia 3 de junho deste ano.

Durante as investigações, a PCPR apurou que os suspeitos dos crimes fazem parte de uma organização criminosa envolvida com o tráfico de drogas na região do Parolin. Além disso, os indivíduos estariam ameaçando moradores da região para que não contribuam com as investigações em andamento.

OS CRIMES – Na ocasião dos fatos, Douglas Rodrigues estaria “soltando pipa” junto com um amigo. Em determinado momento, quatro suspeitos em um veículo Ford/Fiesta preto chegaram perto das vítimas e logo em seguida realizaram diversos disparos de arma de fogo, atingindo a cabeça, tórax, costas e demais partes do corpo de Douglas, que morreu no local. O outro rapaz também foi atingido, mas sobreviveu.

MOTIVAÇÃO Nas investigações, a PCPR apurou que a motivação do crime estaria relacionada com desavenças em relação ao tráfico de entorpecentes na região. Douglas Rodrigues não teria deixado que os criminosos utilizassem sua casa como ponto de venda de drogas. Aí decidiram matá-lo.

Três suspeitos pelo crime foram presos. Um quarto segue desaparecido.

Um dos suspeitos do homicídio

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.