Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Notícias

Vandalismo afeta trabalho dos guarda-vidas no Litoral

Posto do Balneário Marajó foi totalmente destruído num incêndio criminoso

Agora Litoral
Somente em 2017, aproximadamente seis postos de guarda-vidas do Corpo de Bombeiros foram danificados no Litoral do Paraná. Nesta segunda-feira (11), um incêndio destruiu a edificação em madeira no Balneário Marajó, em Matinhos. E esse vandalismo tem preocupado a corporação.

Em todo Litoral paranaense são 37 postos edificados para proteger aos guarda-vidas, especialmente nos momentos de climas adversos em que estes profissionais precisam permanecer na praia, e dar mais qualidade ao serviço de prevenção e salvamento aquático. Apesar da importância das edificações, as de madeira são as mais visadas pelos vândalos.

O vandalismo tem provocado um grande prejuízo, cujos valores com recuperação vem sobrepondo os gastos com o desgaste natural. Neste ano de 2017, estima-se a alocação de pelo menos R$ 50 mil reais de recursos públicos nos municípios de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná.

Mesmo os postos edificados em alvenaria sofrem com as pichações, portas e janelas quebradas. Têm ainda o seu interior danificado ao ser utilizado por esses vândalos, que deixam em seu interior resíduos de todo o tipo, como fezes, urina e apetrechos para consumo de drogas.

Somente neste ano, já foram aproximadamente 6 (seis) Postos de guarda-vidas danificados. Alguns foram recuperados; outros, porém, aguardam processo licitatório para definir a manutenção.

DIFICULDADE

O incêndio no posto do Balneário Marajó ilustra a dificuldade encontrada pelos bombeiros em manter os postos de guarda-vidas em condições de utilização. Além dos danos provocados pela ação natural do mar, o vandalismo é o grande causador de prejuízos, principalmente nos postos mais isolados da movimentação urbana.

Alvos frequentes de ação de vândalos, as edificações têm partes quebradas, furtadas ou queimadas. No caso do posto do Balneário Marajó, a destruição foi total, inviabilizando a recuperação a tempo de receber os turistas que chegam para as festas de Natal.

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios