Ligue-se a nós

Notícias

Presa quadrilha que sequestrou gerente de banco em Matinhos

LÍDER PLANEJAVA ROUBOS NA CASA DA AMANTE

Publicado

no

Quadrilha foi presa pelo grupo Tigre da Polícia Civil

Agora Litoral/Massa News
Identificado como sendo o responsável por pelo menos dois sequestros no Paraná e líder da quadrilha que sequestrava gerentes de bancos para assaltar as agências bancárias, um até pouco tempo pastor evangélico ainda utilizava a casa de uma amante para planejar os crimes e depois fazer a repartição do dinheiro roubado. Essa foi a constatação feita pelo Tigre, unidade de elite da Polícia Civil do Paraná, responsável pela prisão das oito pessoas envolvidas com a quadrilha e que agiam no Paraná e em Santa Catarina.

A operação aconteceu em Curitiba, Matinhos, Ponta Grossa e Itajaí. Durante dois meses, os policiais do Tigre e da Delegacia de Jaguariaíva cumpriram sete mandados de prisão e outros 30 de busca e apreensão. Dois sequestros, um no Paraná e outro em Santa Catarina, foram impedidos graças à atuação dos policiais.

Além das prisões, os policiais apreenderam um fuzil, três pistolas, um revólver, farta munição, três coletes a prova de bala, quase R$ 250 mil em espécie, balaclavas, luvas, além de 3,8 quilos de crack. Duas motos e cinco carros comprados com o dinheiro roubado foram apreendidos e outros quatro veículos roubados e/ou furtados pela quadrilha para o cometimento dos sequestros foram recuperados.

Alguns dos veículos recuperados

QUADRILHA ESTRUTURADA
A organização criminosa era extremamente especializada e segmentada. O modus operandi era sempre o mesmo: havia uma pessoa da cidade que era escolhida pela quadrilha para fazer o levantamento do local e da rotina do gerente do banco. Era ele que anotava rotas, dados familiares, horários, endereço da casa do gerente, bem como dados referentes à agência bancaria escolhida como alvo. Assim como propunha os caminhos a serem percorridos, locais de agrupamento dos membros da organização criminosa e para manutenção de reféns em cárcere privado, rotas de fuga e os pontos para que os veículos usados no crime fossem abandonados.

Outra parte da quadrilha era responsável por abordar o gerente do banco no período da noite e manter a família dele em cativeiro. Normalmente este grupo ficava na casa do gerente, mantendo ele e a família incomunicável durante toda a noite. Do lado de fora permaneciam os “seguranças” do bando que faziam a vigilância no entorno da casa das vítimas, devendo avisá-los se houver movimentação policial nas imediações.

Cabia ao chefe da quadrilha o papel mais importante. Normalmente ele chegava ao cativeiro horas depois da tomada dos reféns. Era ele que acompanhava o gerente até o banco, logo cedo, no dia seguinte à tomada de reféns. Os familiares só eram liberados depois que o gerente entrava na agência, pegava todo o dinheiro disponível e entregava ao líder da quadrilha.

A última célula da quadrilha tinha como atribuição o plano de fuga, pela garantia da guarda dos valores até serem divididos, da forma acordada previamente, bem como responsáveis pela guarda das armas do bando e pelos locais de encontro para planejamento dos crimes.

Parte do dinheiro roubado foi recuperada

VIAGENS
Durante toda a investigação que culminou com a operação, o Tigre descobriu que após os sequestros e roubos bem-sucedidos integrantes das quadrilhas faziam viagens – algumas delas de luxo.

LÍDER PRESO
O ex-pastor, líder da quadrilha, foi preso no dia 12 de junho, em Curitiba. Ele e um comparsa, também preso, foram reconhecidos pelas vítimas de um sequestro ocorrido na cidade de Matinhos, no litoral do estado.

Com eles foram apreendidos um revólver calibre 38 com numeração raspada, R$ 180 mil e três veículos adquiridos com o dinheiro roubado. Os dois assumiram ter participado do crime em Matinhos. Com o dinheiro foi possível identificar, pela numeração coletada, a origem comprovada no sequestro.

A dupla entregou outros dois comparsas da quadrilha, também reconhecidos pelas vítimas em Matinhos. Os dois suspeitos já haviam sido presos em 2014 por roubo a instituições financeiras.

A Polícia Civil divulgou apenas fotos do dinheiro e dos veículos apreendidos com o bando. Os nomes e as imagens dos presos foram preservados, conforme determina a Secretaria de Segurança Pública.

FORAGIDOS
Segundo a Polícia Civil, quatro integrantes da quadrilha continuam foragidos. O Tigre suspeita ainda que a quadrilha esteja envolvida com roubos de veículos, venda de entorpecentes e até homicídios.

Anúncio
Clique para comentar

Deixe um comentário!

Notícias

Prefeitura de Paranaguá realiza Desfile de Natal

Desfile terá a participação de 1.200 alunos da rede municipal

Publicado

no

Por

Arquivo PMP

No próximo dia 16 de dezembro, a partir das 19h, a Praça de Eventos Mário Roque receberá o Desfile de Natal. O evento será promovido pela Secretaria Municipal de Educação.

Ao todo serão 56 instituições de ensino e aproximadamente 1.200 alunos participando da ação que tem em sua promoção apresentações do Coral de Vozes da Ilha, da Banda Mirim, do grupo Flauta Doce, a Chegada do Papai Noel, entre outras.

A secretária de Educação, Vandecy Dutra, fala sobre esta festividade para as crianças. “Nosso principal objetivo é renovar o espírito de Natal, oportunizando um momento de Paz e União entre as famílias e as escolas, construindo uma cidade educadora. Também vamos abrilhantar a programação Natalina do Município”, conta.

Para este ano o tema do desfile é “Paz e União” e a novidade deste ano será o natal luminoso, acontecendo ao entardecer. Toda a população está convidada a comparecer e acompanhar o desfile. O evento acontece em parceria com as secretarias de Cultura e Turismo (Secultur) e de Comunicação (Secom).

Da PMP
Continuar Lendo

Notícias

Veículos e contêineres aumentam o fluxo de carga geral nos Portos

Balanço é dos primeiros dez meses do ano

Publicado

no

Por

Porto de Paranaguá - Foto: Gilson Abreu

A movimentação de carga geral pelos portos de Paranaguá e Antonina aumentou 7%. De janeiro a novembro deste ano foram cerca de 10,34 milhões de toneladas importadas e exportadas.

No mesmo período em 2018 foram 9,66 milhões de toneladas. Neste segmento, o acréscimo é puxado, principalmente, pelos contêineres e veículos.

Nos onze meses do ano, foram 794.643 unidades de contêineres movimentadas (TEUs); 398.648 de importação e 395.995, exportação. O número é 12% maior que a movimentada em 2018, nos dois sentidos. No ano passado, foram 707.453 unidades.

Já o número de veículos movimentados pelo Porto de Paranaguá, de janeiro a novembro, aumentou 7%. Este ano, foram 124.723 veículos, enquanto que no ano passado foram 116.899.

Considerando apenas novembro, foram exportados quase quatro vezes mais carros do que foi importado. No mês, foram 12.443 veículos para exportação e 3.745 de importação.

OUTROS PRODUTOS – Além de contêineres e dos veículos, os produtos do segmento de carga geral mais movimentados no período nos portos paranaenses estão a celulose, o açúcar em saca e itens e peças utilizadas na indústria e outras áreas.

O açúcar em saca é exportado tanto pelo Porto de Paranaguá, quanto por Antonina. Por Antonina, a movimentação do produto também apresenta alta de 7%. Este ano, de janeiro a novembro, foram quase 49 mil toneladas exportadas por lá. Em 2018, foram 45,5 mil toneladas.

SEGMENTOS – Os terminais paranaenses atuam com três segmentos: carga geral, granel líquido (principalmente óleo vegetal, derivados do petróleo, metanol e álcool) e o granel sólido (principalmente sal, fertilizantes, trigo, malte e cevada na importação; e soja, milho, farelo e açúcar na exportação).

Até o momento, os portos do Paraná movimentaram mais de 49,18 milhões de toneladas. O volume é 0,6% maior que o registrado no período em 2018, que foi de 48,88 milhões.

Da AEN
Continuar Lendo

Notícias

Policiais do Paraná receberão bonificação por apreensão de armas ilegais

Bonificação pode chegar a R$ 1.500 por arma

Publicado

no

Por

Imagem ilustrativa

O Governo do Paraná vai oferecer uma bonificação em dinheiro a policiais civis e militares que apreenderem armas de fogo ilegais no Estado. A medida foi autorizada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, em decreto para regulamentar a lei 14.171/03, que instituiu o bônus.

De acordo com as informações divulgadas no site da PCPR, os valores da bonificação vão variar de acordo com o potencial da arma apreendida. Para armas de fogo de uso permitido, de porte (armas curtas como revólveres e pistolas) ou portáteis (armas longas, como espingardas e carabinas), o valor do bônus será de R$ 500. Armas de porte de uso restrito darão direito a bônus de R$ 1 mil, enquanto as portáteis de uso restrito a R$ 1.500.

Foi informado também que a partir de 2021, haverá uma gratificação para os três batalhões da Polícia Militar e as três delegacias da Polícia Civil que mais apreenderem armas. No final do ano, cada um terá direito a um prêmio adicional de R$ 50 mil, que será vinculado ao seu fundo rotativo.

Ainda esta semana, a Secretaria da Segurança Pública irá publicar resolução detalhando os critérios, documentação e trâmite para pagamento do benefício. O pagamento ao policial deverá ser feito diretamente na folha salarial.
PRÁTICA
A prática de pagamento de bônus por apreensão de armas irregulares já é adotada em diversos estados, como Amazonas, Espírito Santo e Piauí. “A medida vai melhorar o combate ao crime e o cumprimento de metas e certamente vai ajudar a diminuir ainda mais os índices de criminalidade no Paraná”, afirma o secretário da Segurança Pública, Rômulo Marinho.

O secretário lembra que no primeiro semestre deste ano houve redução de 20% no número de homicídios no Paraná no comparativo com o mesmo período do ano passado.

O balanço da Secretaria de Estado da Segurança Pública também indica queda no número de roubos (-18%), roubo a veículos (-27,4%), roubo a residências (-26,3%), roubo em ambientes públicos (-14,7%) e roubo a comércios (-25,3%) em relação ao primeiro semestre de 2018.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.