Ligue-se a nós

Notícias

Parnanguara vai em missão à Antártica

FILHO DA TERRINHA PARTIU NA TERÇA-FEIRA (8)

Publicado

no

Agora Litoral
O parnanguara Luis Felipe Rodrigues de Souza, de 26 anos, parte para mais uma missão com a Marinha do Brasil.

Ele participa da 38ª Operação Antártica, que objetiva apoiar os preparativos para a ativação da nova Estação Antártica Comandante Ferraz, garantindo a presença do Brasil no ‘continente gelado’.

Não é a primeira vez que Felipe Rodrigues, como é chamado na Marinha, participa de missões. Já esteve na África e, recentemente, participou de uma missão de paz no Líbano, onde permaneceu nove meses longe da família.

Filho do portuário Luiz Claudio Gomes de Souza e da empresária Renata Rodrigues Gonçalves (da Floricultura Falando de Amor), Luis Felipe fez o concurso para a Marinha aos 18 anos e concluiu a escola de aprendizes em Florianópolis, Santa Catarina.

De lá para cá foram muitas viagens, o que lhe oportunizou conhecer dezenas de países e culturas mundo afora.

Na Marinha, Felipe conhece países e culturas diversas

SAUDADE
As longas viagens que Luis Felipe Rodrigues de Souza faz pela Marinha do Brasil têm o outro lado: provocam uma imensa saudade naqueles que o amam e ficam em Paranaguá.

“Serão os seis meses mais longos da minha vida”, desabafa Renata, a mãe do marinheiro. “Saber que ele está feliz, pessoal e profissionalmente, é que me faz resistir à saudade”, disse ela ao Agora Litoral.

Felipe com a família e a noiva

Felipe Rodrigues participa da 38ª Operação Antártica

O parnanguara integra a tripulação do Navio Polar Almirante Maximiano, que possui cinco laboratórios e equipamentos modernos.

Navio Almirante Maximiano

Deixe seu comentário!

Notícias

Porto de Paranaguá recebe navio para novo embarque de DDGs

O primeiro embarque do coproduto aconteceu em dezembro de forma inédita no País

Publicado

no

Por

Navio M. Emir Aksoy - Foto: APPA

Terminais paranaenses concluíram na terça-feira (18), pelo Corredor de Exportação de Paranaguá, o segundo carregamento de DDGS, um coproduto do processamento do milho para a fabricação de etanol – o que sobra do grão.

O primeiro embarque aconteceu em dezembro no porto paranaense de forma inédita do País. Para esta nova operação, ajustes garantiram mais agilidade e produtividade.

O navio M.Emir Aksoy atracou no berço 213, no início da noite de domingo (16). A embarcação começou a ser carregada logo em seguida, passou a segunda-feira em operação e deixou o Porto de Paranaguá na terça (18), por volta das 12h30.

O período de embarque não ultrapassou dois dias, quase três a menos que na primeira vez, apesar da quantidade do produto ser um pouco maior.

“Como era uma carga nova, não tínhamos noção, no primeiro embarque, de como se comportaria, como seria a produção”, explica o chefe da Divisão de Silos da Portos do Paraná, Gilmar Francener.

Segundo ele, após essa primeira experiência, o terminal responsável (Cimbessul) fez algumas mudanças operacionais.

“Eles dividiram a carga desse segundo navio em dois terminais. Foram embarcadas 28.750 toneladas, sendo 14.187 carregados pela Centro Sul e 14.563 da Cimbessul”, disse Francener.

O representante da Diretoria de Operações acrescentou que a medida garantiu mais produtividade, já que o carregamento foi feito com dois shiploaders (carregadores) simultaneamente.
Os equipamentos transportaram a carga dos dois terminais, enchendo, ao mesmo tempo, dois dos quatro porões totais do navio.

Novos embarques do produto devem acontecer ao longo do ano. “A expectativa é grande. Novas fábricas de etanol de milho estão previstas. Então, a demanda será cada vez maior e, segundo os terminais, são altas as perspectivas de novos embarques por aqui”, comentou Francener.

Um terceiro embarque deve acontecer ainda neste primeiro trimestre, ainda sem data prevista.

Da AEN
Continuar Lendo

Notícias

Litoral terá Força-Tarefa para proteger crianças no Carnaval

Operação integrada conta com a participação de diferentes instituições públicas

Publicado

no

Por

Foto: Divulgação SEJUF

A Operação Integrada de Carnaval no Litoral começou a atuar efetivamente na sexta-feira (14), e vai se estender durante todo o Carnaval. Trata-se de uma iniciativa da Força-Tarefa Infância Segura, da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho, que agregou diferentes instituições públicas, com foco na prevenção de crimes e violências contra crianças e adolescentes e no combate à exploração sexual infantil.

A iniciativa conta com a participação da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Científica e Conselho Tutelar. Sua primeira ação foi feita em estabelecimentos de Guaratuba, onde ocorreu caso de flagrante delito por venda de bebida alcoólica e cigarros a adolescentes e uma autuação por posse de droga ilícita para consumo.

Também foram registradas autuações do Corpo de Bombeiros por irregularidades e uma interdição de estabelecimento. Oito menores foram encaminhados pelo Conselho Tutelar.

A Força-Tarefa integra uma série de operações que serão realizadas no Litoral no Carnaval Protegido do Paraná, lançado nesta semana pelo secretário Ney Leprevost (Justiça, Família e Trabalho). Na programação estão previstas atividades de conscientização do público e haverá distribuição de pulseiras, para evitar que as crianças se percam de pais e responsáveis durante os festejos.

Ao longo do feriado prolongado, a campanha prossegue com a orientação sobre a importância de denunciar casos de negligência, abuso, abandono, discriminação e violência contra crianças e adolescentes, idosos e mulheres pelo telefone 181.

A proposta principal da secretaria visa a constituição de uma rede de proteção, que integra os órgãos públicos e a própria sociedade. De forma inédita, a Força-Tarefa Infância Segura envolve secretarias de estado, Judiciário, Ministério Público e instituições da sociedade civil organizada para a integração das políticas públicas, com ações coordenadas e efetivas para o acolhimento e o atendimento integral às crianças vítimas de violência.

Continuar Lendo

Notícias

Reservatórios flexíveis e móveis garantem o fornecimento de água na Ilha do Mel durante o verão

Solução criada a partir da visita a uma feira na França contribuiu para o fim dos rodízios decorrentes do aumento populacional da Ilha nesta época do ano

Publicado

no

Por

O aumento das populações nas localidades litorâneas costuma comprometer o abastecimento de água potável durante a estação mais quente do ano. Na Ilha do Mel, no Paraná, este contexto é coisa do passado.

A Ilha, que chega a ser visitada por 10 mil pessoas em alguns dias no verão, recebeu investimentos de R$ 460 mil da Paranaguá Saneamento – concessionária da Iguá Saneamento responsável pelos serviços de água e esgoto da região – que possibilitaram um conjunto de soluções para garantir o abastecimento regular do balneário.

A principal delas surgiu a partir de uma visita à Pollutec – feira de soluções ambientais da França , em 2018, onde profissionais da Paranaguá Saneamento tiveram a oportunidade de conhecer os reservatórios flexíveis.

Os reservatórios flexíveis são constituídos por polímeros de elevada resistência mecânica e química, que garantem a segurança do entorno e a qualidade da água tratada.

“Por se tratar de um sistema móvel que pode ser desmontado e retirado do local, sem a necessidade de grandes estruturas fixas e sem impacto ambiental à região, essa foi a solução eleita pela equipe de engenharia da companhia para equacionar os problemas de abastecimento em tempos de superpovoamento da Ilha do Mel”, acrescenta o diretor operacional da Paranaguá Saneamento, João Roberto Rocha Moraes.
A concessionária adquiriu dois reservatórios flexíveis, com capacidade para 150 mil litros cada, e, em apenas três dias após seu recebimento do fornecedor, eles já estavam aptos para serem operados, aumentando a capacidade de reservação da localidade em 84%. A montagem dos reservatórios foi feita pelos próprios funcionários da Paranaguá Saneamento.

“Para colocar os reservatórios flexíveis em operação, foi necessário um dia para montá-los, outro para o processo de desinfecção e seu enchimento, estando apto a jogar água no sistema no terceiro dia”, explica Lucas Arrosti, gerente operacional da concessionária.

Os reservatórios são colocados sobre uma manta de borracha, protegendo-os de possíveis desgastes ou perfurações em contato com o solo. Além da manta, também é utilizado um booster (ligado a um gerador) para levar a água dos reservatórios ao sistema com a pressão necessária para chegar às residências. Quando em funcionamento, é necessário apenas um funcionário para controlar a ativação da bomba.

Na Ilha do Mel, eles foram instalados próximos à praia, em uma área de 500 m², o que possibilitou o abastecimento por barcaças, aumentando a disponibilidade de água para o balneário sem exaurir os sistemas de captação do local. Apesar de ficarem a dois quilômetros de distância da ETA, eles estão próximos à rede de abastecimento.

“Ano Novo e Carnaval sempre foram problemas com o aumento populacional da Ilha do Mel. Até o verão passado, trabalhávamos com rodízio quando tínhamos picos de consumo. Na temporada atual, por conta das ações que implementamos, especialmente com a adoção dos reservatórios flexíveis, não foi mais necessário fazer manobras na rede de abastecimento”, conta Lucas Arrosti.
Plano Verão
A adoção dos reservatórios flexíveis veio acompanhada de outras soluções do Plano Verão elaborado pela Paranaguá Saneamento. O aumento da oferta de água potável também decorreu da perfuração de 30 novos poços, além da reforma dos 37 existentes, aumentando o volume captado. Com isso, as duas Estações de Tratamento de Água (ETA) da ilha aumentaram a produção em 4,7 vezes (ETA Brasília) e em 2,2 vezes (ETA Encantadas), resultando em aproximadamente 476 mil litros de água por dia disponíveis para consumo no período das festividades

A empresa providenciou também uma barcaça para reforçar o abastecimento de água na ilha. O equipamento, com capacidade de reservação de 150 mil litros de água, pode transportar água do continente até a ilha se, com todas as melhorias, os sistemas locais precisassem de reforço.

“Nós tomamos todas as providências para que as pessoas na Ilha do Mel possam usufruir de um verão tranquilo. Organizamos uma verdadeira força-tarefa para garantir a disponibilidade de água de qualidade”, declara João Roberto Rocha Moraes.

Sobre a Iguá Saneamento: A Iguá é uma nova companhia de saneamento, controlada pela IG4 Capital, que atua no gerenciamento e na operação de sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, por intermédio de concessões e de parcerias público-privadas. Atualmente, está presente em 37 municípios de cinco estados brasileiros: Alagoas, Mato Grosso, Santa Catarina, São Paulo e Paraná, por meio de 18 operações que somadas beneficiam 7,1 milhões de pessoas.

O alcance dos serviços prestados pela companhia a coloca entre os principais operadores privados do setor de saneamento do país. Em 2018, foi eleita pelo segundo ano consecutivo uma ótima empresa para se trabalhar pela consultoria Grate Place to Work (GPTW). Atualmente, emprega cerca de 1,5 mil pessoas. O nome Iguá é uma referência direta ao universo em que atua: em tupi-guarani, “ig” quer dizer água.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.