Ligue-se a nós

Notícias

Ministério da Saúde diz que vacinação pode começar em 20 de janeiro

Anúncio foi feito pela secretaria executiva do órgão esta semana, em Brasília

Publicado

no

A vacinação contra a Covid-19 pode começar no dia 20 de janeiro, segundo o Ministério da Saúde. Se não for possível, em um cenário “médio”, a imunização poderia ter início entre esta data e 10 de fevereiro. Em um cenário menos favorável, a vacinação no Brasil poderá ocorrer a partir de 10 de fevereiro.

A projeção foi apresentada pelo secretário executivo da pasta, Élcio Franco, em entrevista coletiva na terça-feira (29), na sede do órgão, em Brasília.

Franco destacou que o melhor cenário depende de uma conjunção de aspectos, especialmente dos laboratórios que estão com vacinas em desenvolvimento cumprirem os requisitos de registro, seja emergencial ou definitivo.

“Isso [a vacina no dia 20 de janeiro] vai depender de uma série de fatores, inclusive de logística, e dos laboratórios estarem em dia com o seu processo de submissão contínua e do processo de registro com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Não depende de nós, depende do laboratório cumprir com a sua parte”, declarou.

Países como Estados Unidos, Reino Unido, e nações da União Europeia já iniciaram planos de imunização contra a Covid-19. Na América do Sul, a Argentina começou a aplicar um imunizante contra a doença em públicos prioritários.

Uma das opções cogitadas pelo Ministério da Saúde para a imunização da população brasileira é a vacina desenvolvida pela Pfizer – já autorizada nos Estados Unidos e na Europa, mas até agora a empresa não deu entrada no pedido de autorização emergencial.

A farmacêutica divulgou nota na qual afirmou que participou de reunião com a Anvisa no dia 14 de dezembro para “esclarecer dúvidas sobre o processo de submissão para uso emergencial” e que a solicitação não ocorreu até agora porque as “condições estabelecidas pela agência requerem análises específicas para o Brasil, o que leva mais tempo de preparação.”

Na segunda-feira (28), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que são os laboratórios que deveriam ter interesse em vender a vacina contra o novo coronavírus para o Brasil.

“O Brasil tem 210 milhões de habitantes, um mercado consumidor de qualquer coisa enorme. Os laboratórios não tinham que estar interessados em vender para a gente? Por que eles, então, não apresentam documentação na Anvisa? Pessoal diz que eu tenho que ir atrás. Não, não, quem quer vender, se sou vendedor, eu quero apresentar”, afirmou o presidente.

Quanto aos outros laboratórios que desenvolvem imunizantes, os representantes do Ministério da Saúde informaram que solicitaram que encaminhem os pedidos de registro à Anvisa.

“Não posso pegar a Pfizer pelo braço e levar lá”, disse o secretário Franco. Na segunda-feira, a farmacêutica americana disse que a Anvisa exige uma série de ”análises específicas” que deixam o processo mais lento.

O Ministério diz que os documentos pedidos pelo Brasil são os mesmos exigidos pela (FDA), agência reguladora dos EUA.

Segundo Élcio Franco, o Instituto Gamaleya, responsável pela vacina russa Sputnik V, informou que vai começar a fase 3 de estudos, o que possibilitaria a solicitação para uso emergencial.

Já a vacina da Universidade de Oxford e da Astrazeneca concluiu a fase 3 e está “em vias” de apresentar o registro. Neste caso, o governo já celebrou um acordo de encomenda tecnológica para produção pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

MATÉRIA RELACIONADA

COVID: Vacinação de grupos prioritários deve começar em janeiro

Deixe seu comentário!

Notícias

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país

Documento apresenta penalidades para aqueles que descumprirem as medidas.

Publicado

no

Por

Foto: Rovena Rosa

Portaria interministerial publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (24) restringe, em caráter temporário e excepcional, a entrada de estrangeiros no país, conforme recomendação feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O objetivo é impedir a entrada de pessoas contaminadas por variantes do novo coronavírus.

No final de maio, a Anvisa enviou aos ministérios que assinam a portaria (Casa Civil, Justiça e Saúde) algumas sugestões de regulamentação de medidas de contenção da entrada de novas variantes do novo coronavírus. Entre as sugestões estava a de suspensão de algumas exceções previstas para a entrada de estrangeiros, em especial relativas ao ingresso de trabalhadores marítimos de embarcações e plataformas oriundos de países onde essas variantes estão circulando.

Pela sugestão da Anvisa, os estrangeiros procedentes desses países ficariam impedidos de ingressar no Brasil, caso não cumprissem determinados protocolos e requisitos; e os brasileiros em viagem de retorno desses países precisariam necessariamente cumprir quarentena de 14 dias na cidade de desembarque.

Seguindo essas orientações, a Portaria nº 655, publicada nesta quinta-feira, além de restringir a entrada de estrangeiros de qualquer nacionalidade – por rodovias, outros meios terrestres ou por transporte aquaviário – proíbe, em caráter temporário, voos internacionais tanto com destino quanto com origem ou passagem pelo Reino Unido, a Irlanda do Norte, África do Sul e Índia.

A portaria, no entanto, apresenta diversas situações consideradas excepcionais, o que garante direito de ingresso no país de estrangeiros, desde que seguindo protocolos e requisitos migratórios como a apresentação de documentos comprobatórios de realização de teste de identificação da Covid-19.

Entre as situações em que haverá autorização para ingresso no país está a operação de voos de cargas, manipuladas por trabalhadores paramentados com equipamentos de proteção individual (EPIs) e demais requisitos e protocolos descritos no documento.

As restrições descritas pela portaria não serão aplicadas em casos de tráfego de residentes fronteiriços em cidades gêmeas, tráfego de transporte rodoviário de cargas e na execução de ações humanitárias e de assistência emergencial para acolhimento e regularização migratória.

A portaria acrescenta que as medidas não se aplicam a:

  • imigrante com residência de caráter definitivo, por prazo determinado ou indeterminado, no território brasileiro;
  • profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que identificado;
  • funcionário estrangeiro acreditado junto ao governo brasileiro; e
  • estrangeiros em situações específicas como cônjuges, companheiros, filhos, pais ou curadores de brasileiro.

Também é permitido o ingresso de pessoas com autorização do governo brasileiro, tendo em vista o interesse público ou questões humanitárias, e portadores de Registro Nacional Migratório.

Penalidades

Por fim, para aqueles que descumprirem as medidas a portaria prevê penalidades. Tais como:

  • responsabilização civil, administrativa e penal;
  • repatriação;
  • deportação; e
  • inabilitação de pedido de refúgio.
Da Agência Brasil
Continuar Lendo

Notícias

Paranaguá Saneamento incentiva a doação de roupas em bom estado

Campanha do agasalho é em parceria com o Sistema Fecomércio Sesc/Senac

Publicado

no

Por

Campanha incentiva colaboradores e clientes

A Paranaguá Saneamento realiza a Campanha do Agasalho em parceria com o projeto do Sistema Fecomércio Sesc/Senac Paraná, realizado desde 2009. Com a nova parceria, a campanha da empresa passa a atingir os clientes que buscam atendimento na loja e possibilita um maior montante de arrecadações.

O slogan deste ano é “Onde há calor, há mais vida” e os órgãos participantes ressaltam a importância das doações de agasalhos e roupas em bom estado de conservação para destinar às pessoas menos favorecidas e em vulnerabilidade social.

“Incentivaremos os nossos colaboradores e clientes a participar ativamente, doando aquilo que puderem para ajudar quem precisa de auxílio para conseguir enfrentar o inverno”, pontua o Diretor Geral da Paranaguá Saneamento, João Roberto Rocha Moraes.

A concessionária acredita na importância em respeitar as pessoas e valorizar a vida, por isso buscou a parceria para beneficiar um maior número de pessoas. “Cada vez mais a Paranaguá Saneamento buscou aderir à campanha da Fecomércio visando o bem da população parnanguara e das pessoas mais carentes do município, para ajudar durante este período em que muitos sofrem com as baixas temperaturas”, explica o Diretor Operacional da concessionária, Mayckel S. C. Pereira.

Caixa de arrecadação
Neste ano, a Paranaguá Saneamento disponibilizou uma caixa para arrecadação na loja de atendimento que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, na Rua Vieira dos Santos, 333. Todos poderão deixar suas doações no local, independente de precisar ou não dos serviços da empresa durante a visita.

“A campanha é importante principalmente nesse momento de pandemia, no qual muitas pessoas estão em vulnerabilidade. Deixamos um ponto de arrecadação disponível em nossa loja de atendimento, onde temos, em média, a passagem de 80 pessoas por dia. Então essa é uma forma de sensibilizar, para que todos possam participar e ajudar a aquecer o corpo e o coração de todos que estão precisando”, destaca a Gerente de Clientes da empresa, Miriam Lemos Leal Pessoa.

Solidariedade
Seja solidário e abrace esta causa social que envolve o trabalho de diversas pessoas no desafio de operacionalizar a Campanha do Agasalho. Antes de chegar ao beneficiado, todas as doações passam por um processo rigoroso de higienização, triagem e destinação. Dessa forma é possível garantir qualidade e segurança para quem receberá as doações.

Segundo a Técnica de Atividades do Sesc Paranaguá, Katiane Arndt, a campanha já acontece há bastante tempo e vem se fortalecendo com a adesão de empresas engajadas em responsabilidade social.

“Ficamos muito felizes com esse fortalecimento, porque a ideia é atingir o maior número de pessoas, e com essa união das empresas estamos conseguindo um quantitativo cada vez melhor, uma qualidade de doação muito melhor. Estamos atendendo desde o pessoal em situação de rua até as instituições, e não só a população de Paranaguá, mas também as áreas de abrangência como Antonina, Morretes e Guaraqueçaba”, afirma Katiane Arndt.

A dedicação, cuidado e o carinho com as doações e com o atendimento da população em situação de vulnerabilidade social fortalecem o trabalho e trazem ainda mais transparência para as ações.

Continuar Lendo

Notícias

Todos os colégios estaduais do Paraná devem retomar ensino presencial até julho

Afirmação foi feita pelo secretário de estado da educação Renato Feder.

Publicado

no

Por

Até o próximo mês, todos os colégios estaduais do Paraná devem retomar o atendimento presencial. A afirmação foi feita na quarta (23), pelo secretário de estado da educação Renato Feder, em reunião com diretores de escolas da Região Oeste do Estado, em Cascavel, e confirmada pela assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Educação (SEED).

“Esse retorno precisa ser muito organizado, muito atencioso, pra que a gente possa receber o estudante, que ele volte pra escola”, disse o secretário.

“Se você é um pai ou estudante e ‘tá’ vendo esse vídeo, volte pra escola, as escolas do Paraná estão reabrindo, a gente precisa de você e o seu futuro precisa da escola”, finalizou.

Até agora, 873 escolas já voltaram a atender presencialmente no modelo híbrido. O retorno acontece paralelamente à vacinação dos profissionais da Educação. A rede estadual de ensino do Paraná tem 2,1 mil escolas e mais de 1 milhão de alunos.

O retorno presencial na rede pública estadual começou, de forma gradativa, no dia 10 de maio, quando 200 escolas retomaram as atividades por meio do modelo híbrido. Desde o retorno, a secretaria de educação confirmou 249 casos positivos do coronavírus e alega que em apenas 17, a contaminação pode ter ocorrido no ambiente escolar.

A atividade presencial, por enquanto, não é obrigatória. Pais, mães ou responsáveis legais que desejem o retorno dos estudantes devem assinar um termo de autorização a ser entregue na instituição de ensino. Os alunos que optarem por não ir às aulas presencialmente continuarão no ensino remoto (que inclui as plataformas digitais do Aula Paraná, videoaulas no YouTube e TV aberta, além do kit pedagógico impresso), que acontece desde o início deste ano letivo, em 18 de fevereiro.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.