Agora Litoral
Ana Maria Mazepa, de 62 anos, faz parte do grupo de 35 formandos do curso gratuito de qualificação profissional ofertado pelo Governo do Estado em Guaratuba, no Litoral do Paraná. “Eu estou muito bem, porque adquiri novos conhecimentos. Tenho certeza que vou me dar muito bem, porque estou capacitada”, afirma, com largo sorriso, exibindo o certificado. Ela conta que agora tem novas funções para incluir no seu currículo, na busca pelo próximo emprego.

Com duração de quatro meses (80 horas), o curso frequentado por Ana Maria abordou conhecimentos práticos sobre as funções de recepcionista, porteira, caseira e faxineira. Ela diz que também aprendeu muito nas aulas de Formação Cidadã.

“A gente aprende como se comportar, como se vestir num trabalho, para ir numa entrevista, e principalmente a parte de ética, que é importante”, contou a recém-formada.

Ana Maria agora tem novas funções para incluir no seu currículo

O curso é realizado pelo programa Família Paranaense, da Secretaria da Família e Desenvolvimento Social. A ação é voltada a famílias em situação de vulnerabilidade social e tem a parceria da Secretaria Especial do Trabalho e Relações com a Comunidade, com apoio das prefeituras.

A primeira turma teve início em maio deste ano. Até agora, 117 turmas já foram finalizadas, totalizando 2.209 alunos capacitados. A previsão é formar 2.700 pessoas em 40 municípios do Paraná, até dezembro de 2018.

Segundo a secretária interina da Família e Desenvolvimento Social, Letícia Raymundo, os resultados da iniciativa já são visíveis nas vidas das famílias, que têm encontrado novas oportunidades para alcançar sua emancipação.

“Temos diversos relatos de pessoas que foram contratadas antes mesmo de concluírem o curso, e outras que já têm vaga garantida nas empresas, só esperam pegar os certificados”, diz ela. “Além disso, muitos alunos têm descoberto sua vocação empreendedora, usando os conhecimentos recebidos para abrir o seu próprio negócio e gerar renda”, ressalta.

RELACIONAMENTO – O secretário especial do Trabalho e Relações com a comunidade, Paulo Rossi, explica que, além da aprendizagem profissional, os alunos têm aulas de Formação Cidadã. “Neste módulo, são abordados temas específicos, como ética e qualidade no trabalho, relações interpessoais, etiqueta pessoal e profissional, prevenção e segurança no trabalho e características empreendedoras”, relata o secretário.

Segundo Rossi, além do crescimento profissional o curso contribui para que os alunos melhorem a convivência familiar. “Há pessoas que tinham problemas de relacionamento dentro de casa e quando começaram a fazer o curso, mudaram sua forma de pensar e passaram a agir diferente em casa. Começaram a se entender melhor, e com isso a autoestima melhorou”, salienta Rossi.

Durante o curso os participantes recebem lanche, material didático personalizado e contam com uma cuidadora para as crianças durante as aulas. Para alunos que moram em locais mais distantes, as prefeituras ofertam o transporte gratuito.

OPORTUNIDADE – Depois de trabalhar 10 anos como telemarketing em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, Ana Maria chegou em Guaratuba e descobriu que na cidade não havia mercado de trabalho para a sua área.

“A gente já tem idade, é mais difícil. Eu pensei: estou no Litoral e tenho que procurar empregos que estejam relacionados a isto”, declarou. Ela conheceu o Centro de Referência em Assistência Social (Cras), que presta atendimento a famílias em situação de vulnerabilidade. “Fui convidada a fazer os cursos e disse a mim mesma que não perderia esta oportunidade.”

Alisson agora tem planos para trabalhar e conseguir dar um futuro melhor para os filhos

EXPECTATIVAS – Para Alisson do Espírito Santo, 36 anos, o esforço para concluir o curso valeu a pena. Ao longo de quatro meses, ele e a esposa Alessandra tiveram que adequar a rotina para conseguir levar e buscar os seis filhos na escola e creche, sem faltar às aulas. “Muitas vezes eu fiquei sem almoçar, para conseguir dar conta de tudo”, diz.

Alisson está desempregado e até então dependia apenas de benefícios sociais para sustentar a família. Com o curso concluído, já tem planos para trabalhar com jardinagem e conseguir dar um futuro melhor para os filhos. “Antes de fazer o curso, as expectativas eram poucas, as coisas não se encaixavam. O curso abriu a mente da gente para novos horizontes. Estou muito feliz em receber o certificado, isso conta muito na vida”, diz ele.

O recepcionista Alexandre Ramos, 34 anos, também acredita que a nova formação vai ajudar para conquistar uma nova colocação no mercado de trabalho. Sem emprego formal há quatro meses e fazendo bicos para pagar as contas, ele decidiu se aperfeiçoar no curso de caseiro, porteiro e zelador.

“Nas aulas técnicas, aprendi a mexer com a parte elétrica e hidráulica de uma casa, para a gente poder aplicar isso no mercado de trabalho”, diz ele. “Com o certificado espero trabalhar na temporada, na parte de hotelaria. Também posso trabalhar de caseiro. Já que o movimento vai aumentar, posso fazer limpeza de piscinas”, fala Ramos.

>> Deixe sua opinião