Ligue-se a nós

Paranaguá

ROMU flagra rapaz com pistola na cintura ao abordar carro no Nilson Neves

Ação da GCM foi na madrugada deste sábado (3/4)

Publicado

no

Wilian de Paula dos Santos, de 28 anos, foi preso por agentes da Guarda Civil Municipal, na madrugada deste sábado (3/4), em Paranaguá, por porte ilegal de arma de fogo. Com ele foi apreendida uma pistola Beretta calibre 635.

A ação teve início por volta da 0h30, quando uma equipe da ROMU (Ronda Ostensiva Municipal), durante patrulhamento pela Rua das Rosas, no Conjunto Nilson Neves, desconfiou de um automóvel em velocidade não compatível com a via, que quase veio a colidir com a viatura.

Imediatamente os policiais abordaram o veículo, que era dirigido por Wilian. Ao ser feita a busca pessoal, na cintura do rapaz foi encontrada a pistola, que estava municiada com cinco projéteis no carregador e um na câmara, pronta para uso.

Diante da situação, Wilian foi encaminhado para a Delegacia Cidadã, onde acabou autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo, sendo, na sequência, conduzido para a Cadeia Pública de Paranaguá onde ficou à disposição da Justiça.

HISTÓRICO CRIMINAL

Wilian de Paula dos Santos já tinha sido preso pela ROMU por tráfico de drogas, em novembro do ano passado.

À época, os agentes municipais encontraram na casa dele 116 pedras de crack escondidas em um carrinho de bebê.

Carrinho de bebê escondia mais de 100 pedras de crack; dono da casa foi preso.

Clique para comentar

Deixe seu comentário!

Paranaguá

TCE diz que solução para a tarifa de água deve ser feita entre Prefeitura e empresa

Tribunal de Contas quer negociação concluída em 90 dias

Publicado

no

Por

O Município de Paranaguá e a empresa Paranaguá Saneamento S.A. deverão buscar uma solução consensual para garantir que a população da maior cidade do Litoral paranaense pague tarifas justas pelos serviços de água e esgoto, ao mesmo tempo que seja assegurado o equilíbrio econômico-financeiro da concessionária. O sistema foi concedido à iniciativa privada em 1997, por meio de licitação.

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná determinou que a negociação para a revisão tarifária seja concluída em 90 dias, com base em documentos que deverão ser fornecidos pela concessionária à administração municipal em 30 dias. Esses prazos passarão a contar na data de trânsito em julgado da decisão, que é passível de recurso.

Nesse período, seguirá valendo a medida cautelar expedida pelo TCE-PR em 15 de abril de 2020, que determinou a manutenção das tarifas praticadas antes da entrada em vigor de duas leis e um decreto municipal.

A cautelar foi concedida em processo de Representação da Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos) formulada pela Paranaguá Saneamento S.A., no qual a empresa alegou que as mudanças desrespeitaram as regras contratuais, provocando redução de aproximadamente 40% de seu faturamento, numa situação que poderia comprometer a prestação dos serviços, o pagamento de dívidas contraídas e os investimentos previstos no sistema.

A Lei nº 3.881/20 reduziu a tarifa de esgoto para 40% do valor da tarifa de água – antes era de 80%. Já a Lei nº 3.882/20 redefiniu as faixas de cobrança e extinguiu o pagamento mínimo de 10 metros cúbicos. E o Decreto Municipal nº 1.911/20 reduziu a tarifa da água em 15%.

“As alterações tarifárias decorrentes das leis nº 3.881/20 e 3.882/20, além do Decreto Municipal nº 1.911/20, não devem ser implementadas até que ocorra, respeitado o princípio do devido processo legal, decisão consensual entre as partes, devendo a requerente agir de forma a garantir ao poder concedente as informações necessárias para atingir decisão justa para ambas as partes e, principalmente, para coletividade envolvida”, afirmou o conselheiro Nestor Baptista no voto aprovado pela maioria dos componentes do Tribunal Pleno do TCE-PR.

O conselheiro apontou o caminho da busca de solução consensual ao comprovar a dificuldade de entendimento entre Município e concessionária, com a judicialização de controvérsias relativas à execução contratual, conforme indicou no processo a Central de Água, Esgoto e Serviços Concedidos do Litoral do Paraná (Cagepar), agência reguladora do Município de Paranaguá.

“Caso os fundamentos que levaram à redução tarifária não se comprovem, o desiquilíbrio econômico-financeiro deverá ser objeto de apreciação pelo poder público municipal. A consequência será que a população do município terá que suportar, por meio de cobranças adicionais, os custos de uma decisão inapropriada. Soma-se a isso o fato de que diante das incertezas sobre a adequada modicidade das tarifas praticadas, sua redução poderá afetar a execução desses serviços basilares”, escreveu Nestor Baptista em seu voto.

A proposta de permanência da cautelar homologada pelo Acórdão nº 677/20 – Tribunal Pleno, que manteve os valores anteriores às leis questionadas até a reavaliação das tarifas, seguiu o entendimento manifestado pela instrução da Coordenadoria de Gestão Municipal (CGM) e o parecer do Ministério Público de Contas (MPC-PR).

O voto do conselheiro Nestor Baptista foi aprovado, por maioria absoluta, na sessão de plenário virtual nº 11/2021 do Tribunal Pleno, concluída em 8 de julho. O voto vencido, do conselheiro Fernando Guimarães, propunha a improcedência da Representação da Paranaguá Saneamento. Cabe recurso da decisão, contida no Acórdão nº 1573/21 – Tribunal Pleno, veiculado em 19 de julho, na edição nº 2.583 do Diário Eletrônico do TCE-PR.

Serviço

Processo : 236107/20
Acórdão nº: 1573/21 – Tribunal Pleno
Assunto: Representação da Lei nº 8.666/1993
Entidade: Município de Paranaguá
Interessados: Central de Água, Esgoto e Serviços Concedidos do Litoral do Paraná, Município de Paranaguá e Paranaguá Saneamento S.A.
Relator: Conselheiro Nestor Baptista
Autor: Diretoria de Comunicação SocialFonte: TCE/PR
Continuar Lendo

Paranaguá

PM apreende mais de 50 kg de maconha e 2.060 comprimidos de ecstasy

Três foram presos na tarde desta quarta-feira no Porto dos Padres

Publicado

no

Por

Na tarde desta quarta-feira, 28, em Paranaguá, policiais militares do 9º Batalhão prenderam três rapazes e apreenderam mais de 50 quilos de maconha. A ação ocorreu em uma casa no bairro Porto dos Padres e resultou ainda na apreensão de 2.060 comprimidos de ecstasy, balança de precisão e material para embalar drogas.

A OCORRÊNCIA
Tudo começou por volta das 14h40. Uma equipe das Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) estava em patrulhamento pela Avenida Roque Vernalha, quando foi informada por policiais da Agência de Inteligência Local (ALI) do 9º Batalhão sobre uma vigilância em um endereço próximo, onde estaria ocorrendo tráfico de drogas e haveria grande fluxo de usuários.

Imediatamente os militares se deslocaram para o local informado e abordaram um rapaz de 23 anos, o qual foi flagrado com dois invólucros plásticos contendo aproximadamente 5 gramas de maconha.

Em seguida, os policiais perceberam quando outro rapaz tentou dispensar alguns invólucros pretos em um corredor e ainda arremessou um telefone celular contra a parede.

De pronto foi feita a abordagem ao segundo suspeito, de 20 anos, o qual admitiu que era o responsável pela residência. Ao ser verificado o que ele havia dispensado foram encontradas 13 buchas de cocaína, totalizando 10 gramas.

Em seguida, os militares abordaram mais dois rapazes, de 19 e 29 anos, e dentro da casa encontraram, em uma mesa, cinco telefones celulares que nenhum dos suspeitos assumiu a propriedade, além de uma balança de precisão.

No local ainda foi apreendido plástico filme e uma faca com vestígios de drogas, e no canto de uma sala três sacos de lixo contendo vários tabletes de maconha, que totalizaram 53 quilos do entorpecente, e um saco plástico transparente contendo os comprimidos de ecstasy.

Em decorrência da situação, os quatro suspeitos foram encaminhados, junto com tudo que foi apreendido, ao plantão da Delegacia Cidadã de Paranaguá, para que fossem tomadas as providências necessárias.

Três ficaram presos: João Vitor Mendes Lima, de 19 anos; Luan Henrique Cunha Marques, de 29; e João Pedro Fernandes, de 20 anos. Eles deverão responder por porte de entorpecente, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Continuar Lendo

Paranaguá

Homem tenta assaltar com réplica de pistola e acaba apanhando das vítimas

Devido às agressões ele teve que ser encaminhado para a UPA

Publicado

no

Por

Simulacro usado por Alisson

Alisson da Silva, de 31 anos, foi encaminhado ao plantão da Delegacia Cidadã pela Polícia Militar, na tarde de terça-feira (27), acusado de tentativa de roubo. Ele foi preso depois de invadir uma casa para tentar fugir de dois rapazes a quem tentou assaltar usando uma réplica de pistola.

Tudo começou por volta das 13 horas, quando uma equipe de Rádio Patrulha do 9º Batalhão foi acionada para averiguar informações sobre um indivíduo que teria invadido uma casa na Rua Governador Jorge Lacerda, no Porto dos Padres, portando uma arma de fogo.

Os policiais foram ao local e encontraram Alisson detido por populares. Ele portava um simulacro de arma de fogo.

Segundo o que foi informado aos militares, o suspeito invadiu a residência, pois estava fugindo de dois rapazes, de 26 e 29 anos, que teria tentado assaltar. No entanto, as vítimas perceberam que ele estava portando uma réplica de pistola e, depois de fugirem da abordagem do criminoso, resolveram persegui-lo.

Para tentar escapar dos dois rapazes que tentou assaltar, Alisson entrou na casa, onde estava uma moça de 20 anos. Ela contou aos policiais militares que o suspeito falou, em tom de ameaça, que não era pra ela dizer a ninguém que ele estava na residência.

Durante a abordagem, os PMs verificaram que Alisson apresentava lesões, por ter sido agredido por populares, que, revoltados com a situação, bateram nele.

Na sequência, o detido foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para que pudesse receber cuidados médicos e, posteriormente, foi conduzido à delegacia, onde foi autuado por crimes de tentativa de roubo e ameaça.

Segundo o que foi apurado pela polícia, o detido já tinha passagens por crime de roubo agravado.

Continuar Lendo
Anúncio
error: Cópia proibida.