Agenor tinha um caso com Fabiana e não aguentou ser trocado por outro. Foto: iTV

Guaratuba, PR
Agora Litoral

Agenor Alacrino da Silva, de 53 anos, acusado de esfaquear e matar a jovem Fabiana Graeff, de 24, em dezembro de 2014, em Itu, interior de São Paulo, foi preso em Guaratuba nesta quinta-feira (15). Agenor estava foragido desde a data do homicídio.

Segundo a Polícia Civil, o pedreiro morava há pelo menos seis meses no bairro Piçarras. No dia da prisão, Agenor estava trabalhando na construção de uma casa. Há quatro meses os policiais de Guaratuba investigavam o caso.

Agenor foi enviado ao sistema penitenciário do Paraná e deve ser transferido nas próximas semanas a São Paulo onde responderá por homicídio. Segundo o inquérito policial anexado à denúncia, Agenor e Fabiana mantinham um relacionamento extraconjugal. Ambos eram casados.

A HISTÓRIA

No dia anterior ao crime, Agenor contou a filho que entregaria a relação amorosa ao marido de Fabiana, já que ela havia rompido a relação com o pedreiro por ter conhecido outro homem. Em seguida, o acusado pegou uma faca, foi até a casa da vítima e discutiu com o marido dela. No auge da briga, Agenor teria dito que mataria Fabiana e o companheiro.

Após a cena, o suspeito voltou para casa e confessou a traição à esposa. Depois, saiu num carro e não mais foi visto pela família. No dia seguinte, por volta das 7h30, Agenor foi até o bairro São Luiz à procura de Fabiana que rotineiramente esperava o transporte coletivo para ir trabalhar.

Fabiana foi surpreendida por Agenor, que a esfaqueou 14 vezes em várias regiões do corpo. Mesmo ferida, a jovem conseguiu atravessar a rua e pedir ajuda. Apesar de ter sido flagrado por um vizinho, Agenor ainda golpeou a vítima mais uma vez e fugiu do local do crime.

De lá pra cá, Agenor tem passado por diversas cidades. Há seis meses ele se instalou em Guaratuba e começou a trabalhar como pedreiro.

>> Deixe sua opinião