Fablo Japa reagiu à abordagem policial. (Foto do arquivo pessoal)

Agora Litoral

Fablo Gonçalves Dias, de 20 anos, reagiu a uma abordagem da Polícia Militar, na manhã desta sexta-feira (11), no bairro Cohapar, em Guaratuba, e acabou baleado. O rapaz chegou a ser socorrido pelas equipes de emergência, mas não resistiu aos ferimentos.

Tudo começou com informações repassadas para a PM, de que Fablo teria passado a noite estuprando sua ex-namorada de 23 anos. A jovem teria informado que o suspeito, conhecido por “Japa”, além de violentá-la, ainda teria cortado seu cabelo com uma tesoura e a agredido várias vezes na frente da sua filha, de dois anos.

Quando os policiais chegaram ao local, a vítima viu Japa e começou a gritar que ele tinha voltado para lhe matar. O rapaz, ao avistar a viatura, fugiu correndo e os policiais foram atrás, chegando até a casa dele.

Na abordagem, Fablo teria saído de um cômodo da residência com um revólver na mão. Os policiais deram a ordem para que largasse a arma, mas o jovem não obedeceu e, ao apontar o revólver em direção aos militares, foi alvejado com dois disparos.

Em seguida o Corpo de Bombeiros foi acionado e Fablo socorrido e encaminhado ao Pronto Socorro de Guaratuba, mas ele não resistiu aos ferimentos. A avó de Fablo, uma mulher de 65 anos, chegou posteriormente ao local, relatando ter sofrido ameaças durante a noite inteira do neto, o qual, segundo ela, estava bastante alterado.

A ex-namorada do suspeito foi encaminhada para atendimento médico. O revólver calibre 38, com seis munições intactas, que estava com o rapaz no momento da abordagem, e parte dos cabelos da moça, que ficou espalhada pela casa, confirmando a versão prestada por ela, foram entregues à Polícia Civil, que vai dar sequência às investigações.

ANTECEDENTES
De acordo com o que foi apurado pela polícia, Fablo tinha antecedentes criminais e, na tarde do dia 16 de março, foi vítima de um atentado a tiros, quando foi baleado no bairro Cohapar. Na ocasião, ele foi levado ao hospital consciente, mas não quis passar informações à polícia sobre o caso.

>> Deixe sua opinião