Agora Litoral com G1
Um empresário interessado em construir um porto de contêineres quer doar terras ao Governo do Paraná onde deve passar a chamada faixa de estrutural, estrada de pista simples com faixa de drenagem e linha de energia no meio da Mata Atlântica, que ligará a PR-407 a Pontal do Paraná, no litoral do estado.

João Carlos Ribeiro é dono de 16% da área total, equivalente a 362 campos de futebol, que está sendo desapropriada pelo governo. As desapropriações devem custar R$ 20 milhões – do total de R$ 270 milhões que devem ser investidos – e envolvem terrenos de 70 donos diferentes.

“Onde passar por cima dos nossos terrenos, o estado vai receber tudo de graça”, diz. No entanto, ele reconhece que a doação é uma contrapartida. O porto do empresário é um dos pontos centrais das discussões que envolvem a construção da rodovia, que tem obras previstas para começar em setembro. Para promotores e ambientalistas, o governo vai desmatar e usar dinheiro público para beneficiar um negócio privado.

Já o governo, parte dos moradores e comerciantes de Pontal do Paraná, afirmam que a estrada vai levar desenvolvimento e facilitar o acesso aos balneários. O caso está na Justiça Federal.

A liminar concedida após a Universidade Federal do Paraná (UFPR) entrar com um mandado de segurança, em março, suspendeu apenas a anuência do Conselho de Desenvolvimento do Litoral (Colit), mas não determinou a suspensão da licença prévia emitida pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) nem as desapropriações.

NOTÍCIA RELACIONADA

Licitação para nova estrada em Pontal do Paraná será dia 7 de maio

>> Deixe sua opinião