Paranaguá,PR
Agora Litoral

A Polícia Militar fez uma grande recuperação de carga no final da manhã desta terça-feira (21) em Paranaguá, no litoral paranaense.

Ao todo, foram 11 toneladas de fertilizantes e cerca de três toneladas de soja e cevada que estavam escondidas em um depósito.

A ação faz parte de uma intensificação no policiamento feito pela PM nas proximidades do porto de Paranaguá para inibir essa prática criminosa.

Os policiais do Serviço Reservado faziam diligências na região justamente para descobrir os autores das “vazadas” – abertura das bicas dos caminhões para que os produtos vazem no chão, sejam recolhidos e revendidos para receptadores.

Na avenida Coronel Santa Rita a equipe avistou uma pessoa em atitude suspeita levando alguns produtos até a sua residência. Em seguida, os policiais comprovaram que sacos com o material eram entregues em uma oficina mecânica.

Os militares estaduais solicitaram apoio e fizeram uma abordagem no local, que estava sendo utilizado como depósito desses produtos.

Foram encontradas aproximadamente 11 toneladas de fertilizantes (ureia, map, sulfato e cloreto) e cerca de três toneladas de soja e cevada. A quantidade das mercadorias foi repassada pelo receptador.

Um homem, de 28 anos, que estava fazendo transporte de carga até a oficina mecânica e o receptador dos produtos furtados, de 77 anos, foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil. Este último tinha um Mandato de Prisão em aberto por receptação.

PMs chegaram até o local onde os produtos estavam acondicionados seguindo este homem

Esse outro, de 77 anos, que estava no local, tinha um Mandado de Prisão em aberto

O comandante do 9º BPM e Coordenador do Verão Paraná 2016/2017 pela Polícia Militar, tenente-coronel Nivaldo Marcelos da Silva, salientou que as vazadas são feitas muitas vezes por usuários de drogas, que revendem esses produtos para receptadores que usam notas frias para as revenderem normalmente.

“Percebemos um aumento nesta prática criminosa nos últimos dias e determinamos a intensificação no entorno do porto. Iniciamos um levantamento de informações e dos locais usados para guardar a carga furtada”, destacou o tenente-coronel Nivaldo.

(Com informações da PMPR)

>> Deixe sua opinião