Polícia Militar foi chamada para evitar acerto de contas entre o pai de um dos envolvidos na Operação da Polícia Federal e o apresentador Tony Lagos

Paranaguá, PR
Agora Litoral

A prisão de oito pessoas em Paranaguá, na sexta-feira (19), após ser deflagrada pela Polícia Federal a Operação Flashback contra o tráfico internacional de drogas, teve mais desdobramentos na cidade. No início da tarde de sábado (20), o pai de um dos envolvidos, Luiz Carlos Barbosa Brito (atual motorista do Prefeito) dirigiu-se até a sede da TVCI com o intuito de acertar contas com o jornalista e apresentador Tony Lagos.

Toda movimentação de Brito (que também foi motorista do falecido Mario Manoel das Dores Roque) foi flagrada pelas câmeras de vigilância da emissora de tevê. Brito e a esposa Rosemeri Pereira (madrasta de Renan de Andrade Brito Barbosa) chegaram à TVCI por volta das 12h24.

Brito queria acertar contas com o apresentador da TVCI

Barrado na portaria, ele esbravejou, mas voltou para o seu automóvel e permaneceu por mais de 30 minutos em frente ao prédio. Depois, chegou outro automóvel com três pessoas. Dois homens – identificados posteriormente como Guardas Municipais – desceram e entraram no veículo de Brito. A Polícia Militar foi chamada até o prédio da TV, conversou com os guardas municipais e estes foram embora em seguida.

Não se sabe o teor da conversa entre os PMs e os homens que acompanhavam o pai do Assessor de Assuntos Governamentais da Prefeitura de Paranaguá, que se apresentou à Polícia Federal em Curitiba no final da tarde de sexta-feira. A TVCI registrou Boletim de Ocorrência na Polícia Militar.

Um dos homens que estava junto com Brito em frente à emissora de tevê
Outro que acompanhou o pai de Renan Brito. Os dois seriam Guardas Municipais

ANIMOSIDADE

O recente episódio envolvendo o motorista do Prefeito e alguns guardas municipais acirra ainda mais os ânimos entre a TVCI e o prefeito Marcelo Roque, que, em nota oficial, culpou a televisão de tentar macular sua imagem e colocar em dúvida a sua administração.

Segundo o Prefeito, ainda na sexta-feira (19) ele não havia sido comunicado oficialmente da prisão do Superintendente de Assuntos Governamentais, que trabalha em seu gabinete no Palácio São José. “Registro que sou a favor de punição a quem tiver envolvimento em qualquer ato ilícito com os rigores da lei”, afirmou Marcelo Roque.

A Operação Flashback prendeu algumas pessoas pouco conhecidas na cidade e outras personalidades públicas em Paranaguá, como o ex-sindicalista Hélio Alves dos Santos, o Hélio Fininho; o irmão dele, Rogério Alves dos Santos, presidente do tradicional Clube Atlético Seleto; e Marcos Luiz Pinto, o popular Mikako.

Além desses, o que mais chamou atenção, sem dúvidas, foi o envolvimento do Superintendente de Assuntos Governamentais da Prefeitura Municipal, Renan de Andrade Brito Barbosa, por este ser Cargo em Comissão e ter sido um dos financiadores de campanha do atual Prefeito em 2016.

EXCLUSIVIDADE

A TVCI foi a única emissora de televisão a acompanhar a movimentação na sede da Polícia Federal em Curitiba. Através de seus repórteres, soube-se que com os membros da quadrilha foram apreendidos 60 quilos de cocaína e armas de diversos calibres.

A Polícia Federal confirmou também ao repórter Pierre Andrade que a organização criminosa utilizava o Porto de Paranaguá para enviar a droga para diversos países, a exemplo do que já havia sido descoberto, em 2012, quando quinze pessoas foram presas em Paranaguá, em outra operação da Polícia Federal – chamada à época de Operação Deadline.

Leia também

Operação Flashback prende até Cargo de Confiança do Prefeito

>> Deixe sua opinião